person_outline



search

O Vazio

O vazio que se instalou dentro de mim.
Eu já não sei o que fazer, eu estou totalmente refém dessa situação.
Não entendo como um simples sentimento pode fazer isso com as pessoas, era pra ser algo tão lindo. Era pra ser algo bom, algo de só de pensar, levasse-a para o céu.
Mas não é bem assim.
Talvez a idealização foi demais, a ponto de realmente levar ao céu, mas quando quase chegou lá, perdeu todas as suas forças e caiu.
Caiu rápido de mais, tão rápido que só percebeu quando estava arrasada no chão do quarto se perguntando como isso aconteceu.
O tombo foi feio, ainda escorregou-se na paredes de seu banheiro se perguntando como aquilo tudo virou toda essa catástrofe.
Ainda pode se ver os hematomas: no coração e na mente.
Não recuperou-se tão rápido quanto queria, mas estava seguindo em frente, ou pelo menos tentava.
O certo é que ela ainda estava a pensar sobre tudo o que aconteceu, se perguntando o que ela errou, como ela poderia ter se protegido ou até mesmo evitado todo esse acidente.
Cavando fundo, e abrindo as feridas, não deixava seu corpo tentar cicatrizar ou até mesmo o tempo tentar reparar. Ela estava cada vez se machucando mais, ela queria ver mais fundo, chegar mais fundo, ver se dava pra ir mais fundo.
Mas não dava, aquele era o limite.
Limite de tudo.
Ela deveria apenas aceitar a situação, mesmo não tendo superado, essa era a melhor opção a seguir.
Não iria ser fácil, isso é fato, mas ela teria que tentar aceitar para se encontrar, encontrar a sua essência novamente pois havia entregado tudo aquilo.
O fato era que nada poderia dá certo se apenas ela arriscasse. Mas tudo bem, menina, se orgulhe de tudo, você fez o seu melhor.
Mesmo com essas palavras de consolo ela não ficava quieta, queria saber como seria se desse certo, e se aquele toque não tivesse acontecido, e se eles nunca tivessem se conhecido, e se...
E se... isso era o que a matava, o que deixava a sua angústia consumir tudo de dentro dela. Ela precisava aprender a se desprender das situações e pessoas. Mas para ela, era difícil, difícil até de mais.
Não aceitava qualquer coisa ou migalhinhas. Ela queria mesmo um banquete de emoções: tudo do bom e do melhor, pessoas profundas.
Pessoas tão profundas que ela quase se afogaria ao mergulhar.
Mas o desespero ao se afogar, para ela, seria melhor do que soluçar desesperadamente por uma coisa que não aconteceu.
fShare
0
Pin It
Atualizado em: Qui 20 Dez 2018
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222