person_outline



search

O BURRICO

Toca do Bugio, Iguape, S.P., um dia de verão. Lá estava ele, tristonho, cabisbaixo, e, não fosse o balançar do rabo e o chacoalhar das enormes orelhas, absolutamente inerte. Uma corda não muito longa ligava-o a um coqueiro alto, que sombra nenhuma fazia. O sol brilhava forte, castigando sem piedade o pequeno quadrúpede, que não desfrutava de água nem pasto para amenizar aquele desconforto. Quem se dava ao trabalho de notá-lo, via a imagem de um ser apático, porque não dizer moribundo, que sofria as agruras de uma existência marcada pelo sofrimento. O calor era intenso e o burrico ali ficava esquecido e sem ânimo aparente sequer para dar uma “zurradinha”. Eis que um mortal um pouco mais sensível, ou intrometido mesmo, entre muitos que ali estavam bem próximo do animal, percebendo após algumas horas a difícil situação do burrico, passou a indagar-se como poderia o dono da cavalgadura ser tão cruel, a ponto de deixá-lo ali, sem água, pasto e uma sombrinha para protegê-lo. Que absurdo! Logo ali onde não faltavam sombra e água fresca, e muito menos um capim verdinho tão apreciado por todos os burros, asnos, jegues, cavalos e alguns cidadãos. Para aquele homem, o lazer com a família passou a ter outra motivação. Livrar o burrico da terrível situação que se encontrava era tarefa obrigatória, e mesmo sabendo que o dono do animal devia estar por perto, cabendo a ele cuidar do bicho, não sossegou até que, resoluto, convicto, se levantou e, dentre quase uma centena de pessoas que se divertiam na lanchonete existente no local, partiu em direção ao eqüino para praticar a boa ação. Seu intento, claro, era desatar o quadrúpede do coqueiro e conduzi-lo até um bosque onde encontraria sombra e pasto. Ali, amarraria novamente o animal em qualquer árvore, para depois voltar feliz e satisfeito para junto da sua família, onde orgulhoso poderia aproveitar a ocasião para demonstrar aos filhos a importância daquele gesto, ensinando-lhes através do exemplo que as pessoas devem ser solidárias, inclusive com os animais. É verdadeiro também que aquele benfeitor não desprezava a hipótese de todas quelas pessoas, assistindo aquela nobre ação, refletissem um pouco encabuladas por não terem agido da mesma forma, que lá estava um homem de bom coração, exemplar, corajoso, formidável, espetacular, maravilhoso, etc.; etc. Afinal, qual de nós, bípedes racionais, não têm mesmo que lá escondida No fundo d’alma uma vaidadezinha a nos perturbar de quando em quando? Pois bem, voltando à narrativa, nosso herói iniciou seu gesto humanitário, indo até o coqueiro para soltar o laço que prendia o tal burrico. Para ali chegar, teve que passar pelo animal, que permaneceu absolutamente imóvel, demonstrando completa indiferença a tudo e a todos, em especial àquele que e preocupava com o seu bem-estar. Para dificultar um pouco, por azar ou imperícia com cordas, o bom moço custou um bocado para livrar as amarras da árvore, mas, se ele soubesse o que estaria por acontecer, jamais desejaria desatar aquele nó. Foi sem dúvida uma dessas armadilhas que a vida nos prega. Sim, pois aquele triste, indiferente e caquético animal, que sofria ao sol e de tanto calor, sede e fome mal podia se mover tinha a percepção que muitos humanos não têm e sabia exatamente tudo, tim-tim por tim-tim, do que se passava ao seu redor. Tanto isto é verdade que nem bem o desajeitado salvador livrou a corda do coqueiro, o maligno quadrúpede saiu em desembalada carreira, obrigando aquele sensível,estúpido e intrometido cavalheiro, a dar um bizarro passeio, segurando a ponta da corda e sendo puxado, correndo como um louco atrás do esperto burrico. Para deixá-lo em situação ainda mais ridícula e humilhante, não poderia a cavalgadura – a que puxava a corda e não a que era puxada – escolher melhor itinerário para sua carreira. Isto mesmo, só pode ter sido por pura pirraça, o animal arrastou nosso herói bem diante da lanchonete, onde havia dezenas de pessoas que evidentemente assistiram toda a cena. Claro que o bom moço tentou conter o burrico a fim de evitar tamanha vergonha, mas o moribundo velhaco tinha a força de vinte homens e a tração quádrupla venceu com folga a dupla, que impotente, restou somente acompanhar o galope empreendido. O vexame não poderia ser pior, o circo estava armado e o espetáculo fez valer o dia de todos que ali desfrutavam um dia de verão. Nosso herói ao ser conduzido diante de toda aquela gente pelo diabólico burrico teve de enfrentar sonoras gargalhadas, inclusive dos filhos e mulher. Após muito esforço e conseguindo prender o lépido animal, voltou nosso envergonhado e cansado herói, triste e cabisbaixo, escutando atrás de si o burrico a sorrir, ou melhor, zurrar.
Pin It
Atualizado em: Qua 4 Jan 2023

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br