person_outline



search

Tristeza

Recordo-me das sombras dos vales, das noites frias,
dos arvoredos do bosque, eram todos sonhos.
Eram minhas pálidas lembranças dos meus dias de tristeza,
só lembranças, melancolias desmedidas, nesse exílio repentino.
O que tenho agora é cansaço, sensações inúteis, tristeza.
Palavras dispersas, inundando meu ser, onde habito.
Se ao menos soubesse onde encontrar meu pranto,
essa tristeza desaguaria em outros remansos, outros dias.
Esse desassossego que carrego, não tem paragem.
Vem assim tão manso, entre melodias tristes, nesses passos.
Assim acordo, revigorando-me nesses enlaces que me devora.
Minhas tristezas se espraiam por aí, sem permissão, sem teto.
Recordo-me dos meus dias de buscas intensas, meus sonhos!
Não eram sonhos, eram lutas persistentes, tantas estórias,
uma vida por viver, muitos lugares, muitas conquistas, era tempo!
Não cabia em mim esses dias, não havia tempo para fingir.
Paralisado, nesses tempos de saudades e tristezas, busco meus passos.
Quem sabe encontre uma forma de atenuar esses desencantos,
de reinventar os meus sonhos, essa tristeza amenizar, desarmar-me?
Embriago-me nessas horas lentas, nesses tristes enlaces, amanheço!
Pin It
Atualizado em: Qui 4 Ago 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222