person_outline



search

Sophie

Linguadamente seus lábios tocaram nos meus;

Sem atrito, os meus deslizaram nos seus doces;

Um suspiro profundo tomou conta de nós;

Os arrepios não se puseram distante, manifestaram-se perante o acto, sagrado acto;

Toquei-na com ternura nas suas redondas e macias partes, um frêmito e delicado respirar seu se apresentou com rapidez;

A mordi suavemente seu lábio carnudo inferior, haa seu corpo vibrou;

Não fui tão rápido ao beijo, não, sempre a quero um pouquinho mais ofegante...

Acrescento-a um pouco de boas sensações, com a mão   percorrendo-a por baixo;

Humm adoro que se ponha aos gritos;

Sabe que no topo de todas virtudes dadas ao homem, sou na altura desmedida o imperador da terra de seu corpo;

Não vou com tudo tão cedo, esse não seria eu, quero-a delirante, com batimentos sem norte...

Adoro brincar com os seus demônios fascinante é ver cada célula em si pegando fogo;

Meus dedos sabem-na tocar  o local certo, hum, esses nunca falham o alvo;

Suas bochechas rosadas ficam!

Eis o momento da oração, reza ela para que eu não acelere os dedos;

Seus lábios fogem dos meus, nada mau;

Quero mais, parar por ali nem pensar!

Puxo-a pelos cabelos para que beba do mel que transborda dos meus, ela recusa-se, adoro-a nesses joguinhos;

A dou uma linguada morna no ouvido, sem ponto de fuga ela joga -se nos meus suavemente, nossos lábios entrelaçados, uma explosão de desejos sobe-me à cabeça...

A toco delicamente no coração do parazer de baixo das vestes, ela venera a mestria do artista em ação... os movimentos sútis dos meus dedos a fazem-na o corpo se estalar...o beijo fica ainda mais interessante, ela se joga com toda a vontade...É hora de fazer as criaturas do além cantarem, a toco aos círculos acelerados no piano de fazer todos os segredos serem revelados, suas pernas ficam trêmulas, suas fruta toda umedecidas...o ritmo fica ainda mais quente, suplica a sua voz que eu vá com mais rapidez, tentadora voz, a coloco na brasa, ofegante...Vá lá, não me poupes dai-me com mais velocidade, diz ela...o mestre não obedece a tal chamado, a tempero com um pouco de beethoven... obedecendo o meu relógio, caio com os lábios nos seus mamilos "...espasmos tomam espaço...seu coração dispara...sua boa canta a ópera mais bela...Um abraço  forte me vem ao encontro...no tom mais alto....a graça da bendita chuva por baixo se lança na mão do mestre...e o anjo deileta a face em seu ombro. 

Linguadamente seus lábios tocaram nos meus; Sem atrito, os meus deslizaram nos seus doces; Um suspiro profundo tomou conta de nós; Os arrepios não se puseram distante, manifestaram-se perante o acto, sagrado acto; Toquei-na com ternura nas suas redondas e macias partes, um frêmito e delicado respirar seu se apresentou com rapidez; A mordi suavemente seu lábio carnudo inferior, haa seu corpo vibrou; Não fui tão rápido ao beijo, não, sempre a quero um pouquinho mais ofegante... Acrescento-a um pouco de boas sensações, com a mão   percorrendo-a por baixo; Humm adoro que se ponha aos gritos; Sabe que no topo de todas virtudes dadas ao homem, sou na altura desmedida o imperador da terra de seu corpo; Não vou com tudo tão cedo, esse não seria eu, quero-a delirante, com batimentos sem norte... Adoro brincar com os seus demônios fascinante é ver cada célula em si pegando fogo; Meus dedos sabem-na tocar  o local certo, hum, esses nunca falham o alvo; Suas bochechas rosadas ficam! Eis o momento da oração, reza ela para que eu não acelere os dedos; Seus lábios fogem dos meus, nada mau; Quero mais, parar por ali nem pensar! Puxo-a pelos cabelos para que beba do mel que transborda dos meus, ela recusa-se, adoro-a nesses joguinhos; A dou uma linguada morna no ouvido, sem ponto de fuga ela joga -se nos meus suavemente, nossos lábios entrelaçados, uma explosão de desejos sobe-me à cabeça... A toco delicamente no coração do parazer de baixo das vestes, ela venera a mestria do artista em ação... os movimentos sútis dos meus dedos a fazem-na o corpo se estalar...o beijo fica ainda mais interessante, ela se joga com toda a vontade...É hora de fazer as criaturas do além cantarem, a toco aos círculos acelerados no piano de fazer todos os segredos serem revelados, suas pernas ficam trêmulas, suas fruta toda umedecidas...o ritmo fica ainda mais quente, suplica a sua voz que eu vá com mais rapidez, tentadora voz, a coloco na brasa, ofegante...Vá lá, não me poupes dai-me com mais velocidade, diz ela...o mestre não obedece a tal chamado, a tempero com um pouco de beethoven... obedecendo o meu relógio, caio com os lábios nos seus mamilos "...espasmos tomam espaço...seu coração dispara...sua boa canta a ópera mais bela...Um abraço  forte me vem ao encontro...no tom mais alto....a graça da bendita chuva por baixo se lança na mão do mestre...e o anjo deileta a face em seu ombro.   Autor. Susatel  In, Arte do Prazer Padrões poemia II de Susatel

Pin It
Atualizado em: Sex 5 Nov 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222