person_outline



search

Até Que a Morte Separe

Sempre ouvimos essa frase em casamentos, a frase e praticamente indispensável. Porem fica a duvida, essa frase só pode ser dita para recém casados? E como fica a situação de  grandes amigos? Afinal uma amizade verdadeira é praticamente um casamento, pois amigos compartilham alegrias, tristezas, risos, lagrimas, loucuras, sonhos, medos, pensamentos, aventuras, tanto como um casal de namorados.

A morte pode separar uma verdadeira amizade?

 

No ano de 2004 quando eu tinha 14 anos conheci um novo amigo pela internet, meio desconfiado, pois ouvia minha mãe, e amigos (a) dizerem que era perigoso, mas não dei bola, ele me inspirava confiança, morávamos em cidades diferentes, mas isso não era impedimento, pois as cidades eram vizinhas. Um dia combinamos de sair no shopping, passamos a tarde toda rindo,comendo besteiras, assistindo filme no cinema, gastando com porcarias, e comendo muito sorvete. Foi uma ótima tarde, nossa amizade foi crescendo a cada dia, passávamos muito tempo conversando por MSN, Orkut e Telefone.

Ele era muito mais que um amigo, era um irmão pra mim.

Mas a vida nos prega peças que jamais poderíamos esperar. No final de 2005, Guilherme meu amigo me contou que tinha um coração grande, minha reação foi de muito riso ( pois imaginava que se tratava de piada). Porem ele me explicou que era uma doença, o fitei por algum tempo e vi no seu olhar a mais profunda dor,e numa fração de segundos passou na minha mente cenas da nossa amizade, vi Guilherme com o rosto sem o brilho que antes existia, senti sua surpresa quando o fitei por um minuto e o puxei com um abraço, em voz baixa disse a ele: Você não esta sozinho irmão,estou com você. Pude sentir as mãos frias nas minhas costas, e um largo sorriso em seu rosto, como se em pensamento estivesse me agradecendo. Os dias foram passando e ele fazendo exames, e consultas, mesmo diante dos problemas Guilherme estava sempre me passando uma tranqüilidade, como se já soubesse do meu verdadeiro pânico em vê-lo doente.

No dia 12 de janeiro de 2006, passei o dia tentando falar com ele, o MSN estava off-line, e o celular desligado, os scraps do Orkut ele não respondeu. Comecei a me preocupar com aquela situação, embora soubesse que tinha que ir para o colégio, eu não conseguia pensar em mais nada, minha preocupação era notável e assustadora. No dia 13 de janeiro de 2006 quando abri minha caixa de e-mails deparei com um e-mail do Guilherme que dizia: ‘’Christian, A vida é como uma viagem de trem! Quando nascemos embarcamos no trem e conhecemos nossa família ao longo da viagem muitos embarques e desembarques ocorrem, muitas pessoas que amamos saem da nossa vida sem deixar rastros. Mas uma conclusão eu tirei dessa viagem, que devo agradecer a DEUS por ter me colocado no mesmo vagão que você. Queria que nunca esquecesse que eu Adoro muito você, e se eu não voltar desejo que você seja muito feliz, e lembre-se onde quer que eu esteja lembrarei de você. Muitos beijos e abraços de uma pessoa que te adora (sem maldade) Gui.’’

Demorei a voltar ao meu mundo, fiquei congelado naquele momento, aquilo era como uma despedida, e eu não suportaria essa sensação de perda. Passei alguns dias sem contato com Guilherme, ele parecia querer se manter distante de mim, para que eu pudesse seguir a minha vida sem me preocupar com ele. Soube pela Irma dele, que ele havia feito uma cirurgia, e que não queria me preocupar, porem antes da cirurgia falou varias vezes em mim, pediu a ela que me entregasse uma corrente dourada, que enquanto eu usasse a corrente, eu nunca estaria sozinho.

(Parece coisa de filme ou novela, mas é a vida real)

Quando ela me falou que Guilherme havia falecido, fiquei pasmo, minhas mãos ficaram frias, meus olhos se encheram de lagrimas, a dor estava presente no meu coração, eu não conseguia falar nada, ela me abraçou e disse: Tu foi uma das pessoas mais importantes na vida dele, ele não queria te ver sofrer assim, perdoe ele por não se despedir pessoalmente, mas seria uma dor destruidora para vocês dois.

Guilherme era mais que um amigo para mim, era como um irmão. Não pude acreditar que um garoto jovem como ele pudesse morrer assim. Guilherme tinha 20 anos e eu 16 anos, tinhamos tanto pela frente ainda, uma vida cheia de aventuras e viagens como sempre planejavamos.

Não suportava a idéia de que meu celular não tocaria mais com o nome ‘’Gui’’ no visor, que no meu MSN o contato dele nunca mais estaria como Online.

O que mais doeu foi saber que ele não estaria mais comigo, o Guilherme fez um papel importante na minha vida, agindo mais como irmão, do que como amigo, varias vezes me buscou no colégio, me defendia dos brigões da escola e me ensinava que eu tinha que ser diferente deles, que não podia ficar por ai agindo como se fosse um muleque mal criado, me ensinava sobre a longa caminhada pela frente no qual chamamos de VIDA, me ensinou a ficar sempre longe de bebidas, cigarros, drogas e más companhias, me ensinava a matemática, que era algo que tanto me complicava no colégio, e ele era muito bom na matéria, parecia ter uma calculadora na cabeça, já havia se formado enquanto eu estava ali ainda me matando de estudar. Mas como no inicio do texto foi dito: Até que a morte nos separe. Porém a morte não separou, ainda sinto sua presença comigo dia-a-dia, e nas madrugadas de medo, e insônia sinto tua calmaria invadir meu quarto, meu irmão se foi, mas seu amor e carinho que emanavam de seu coração, ainda estão vivos em mim.

Nunca irei esquecer meu irmão e melhor amigo, nossa amizade e como o vento não posso vermas posso tocar.

Dedicado Ao Eterno Amigo e Irmão que está na memória. Guilherme.

Pin It
Atualizado em: Sáb 24 Nov 2012
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222