person_outline



search

[Desabafo] Âmago

Hoje faz exatamente um ano desde uma das madrugadas em que mais me desmanchei. Exatamente 365 dias da noite em que o meu coração saltava pela boca. Da noite fria em que a porta foi fechada. Quando o nevoeiro chegou e eu soube que dias de trevas me esperavam.
Mas, não apenas isso. Passaram exatamente quatro estações desde que eu fui dilacerada pela sensação de deixar ir, de acatar, de dizer adeus. E mais uma vez eu presencio o ciclo do desabrochar das flores após ter me despedido e fechado a porta com cuidado diante do que era grandioso demais e me fazia sentir viva.
No outono passado, naquela madrugada gelada como esta, eu suportei o peso do meu sentimento sobre as minhas costas. O peso do mundo. Palavras frias, rudemente ditas em um voz de veludo, foram o gatilho para eu tomar uma decisão necessária, mas que certamente ainda não sei dizer se foi ou não a correta. Aliás, nunca hei de saber.
Não há nada mais difícil do que se distanciar de algo que outrora tanto cobiçou. Desistir do amanhã que havia sonhado ontem. Já nem sei se “desistir” é a palavra apropriada. Deixar o vento levar o que já havia sido motivo de picos de euforia, eventos de sincronicidade e de conexão com a sua parte mais humana. Soprar o que tocou a parte mais frágil e pura de si mesmo. Abandonar o que te fazia sentir singular, sobretudo vivo, de tal maneira a ponto de não almejar mais nada, pois por ser capaz de vivenciar e sentir aquilo já se dava por realizada.
Naquela noite eu senti que perdi o eclipse. Desprezando o que conhecera de mais valioso. Descartado a grande álea pela qual todos anseiam. O evento do século. O acontecimento épico. O ápice da minha vida. Eu simplesmente dei as costas.
Fiquei cara a cara com a minha insegurança e com os meus medos.
Sim. Afirmo com lasciva veemência. Eu conheci, nos exatos termos, o que mais valorizo e ainda tenho por avidez. Conheci de pertinho. Acariciei, apalpei, senti o gosto e o cheiro. Eu provei.
No entanto, aquilo que era grandioso havia de se acomodar no estreito. Não me cabia. Claro, ainda assim, tratava-se daquilo pelo qual eu tinha fervor, o que me faz ser eternamente agradecida. A minha cisma em estar ali, para não soltar, para não perder o que me rasgava o peito, feria.
Eu jamais havia estado naquele lugar e, confesso, ainda assim fui capaz de reconhecer que o espaço era irrisório diante do que eu precisava.
Um conglomerado de variáveis tornava o recinto cada vez mais apertado. Eu tentei, mas havia uma resistência à expansão. Dependia de força, vontade, reconhecimento e anuência alheias a mim. Me vi obrigada a sair. Aquele ambiente não me cabia.
Havia um sentimento nobre, desejo, virtude e, sobretudo, insegurança demais num mesmo lugar. O ambiente me abraçava e dava um beijo terno na testa ao mesmo compasso que o ar pesava e comprimia os meus pulmões. “Nós dois estamos exaustos”.
Há exatamente 52 semanas que eu respiro sem dificuldade alguma. O ar não pesa mais. Exatamente oito mil, setecentos e sessenta horas que eu tomei a decisão mais difícil e tortuosa. Me submeti ao naufrágio para salvaguardar o amor.
Naquela noite, em devaneios, o episódio era reprisado em minha mente. Morri uma centena de vezes. Era preenchida por inúmeros pensamentos conflitantes. Acima de tudo, me senti hipócrita. Desde então, era o fim do mundo todo dia da semana.
Tive nas minhas mãos o amor. Adianto, ele não foi insuficiente. Ao contrário, consistia na minha maior loucura de viver. Escolhi abraçá-lo e carregá-lo comigo por toda a vida. No entanto, como já escancarei, aquela conjuntura não comportava o amor. Aquele amor, o meu grande amor, os amores.
Desde o princípio, fui convicta de que o que eu sentia era maior que eu. Conheci o amor, por recebê-lo e principalmente por senti-lo. Desabrochou-me e as raízes estão fincadas em lugares profundos os quais eu mesma não ouso rebulir.
Não é novidade que em algum lugar no tempo fui incapaz de cogitar algo tão imenso e puro, a ponto de me desestabilizar e me segurar ao mesmo tempo. Sobretudo, por aquele alguém, uma pessoa que chegou sem mais nem menos e que sem pretensão alguma se instalou de mansinho. Se o meu eu agora se encontrasse com quem fui há dois anos atrás me contasse sobre o que haveria de acontecer, com toda a certeza eu iria gargalhar e dizer a mim mesma “essa mulher está delirando”.
A coisa mais insana, profunda e bonita que já senti. É inexplicável quanto uma estação me marcou. Estava realizada por encontrar não o propósito, mas o sentido da vida.
Nunca acreditei ou mesmo cogitei que a o motim da nossa vida, a minha realização pessoal ou o que chamam por “felicidade”, nomeie como quiser, esteve atrelada a fazer grandes feitios, a conquistar grandes coisas ou mesmo ser lembrado por todo um coletivo. Não mesmo. Eu sempre me questionei a respeito e, apesar de não ter uma resposta imediata, acredito com convicção que não está atrelado a nada material.
Desde a minha infância fiquei imersa em pensamentos como: “É só isso? Por que passamos a maior parte do nosso dia nos doando em obrigações como o trabalho e o estudo, cada vez menos presentes para as pessoas que amamos e justamente para sobreviver e estar com elas? Se tudo isso é finito, se um dia todos nós iremos deixar de existir, por qual razão desgastar o meu tempo com outras coisas que não com elas, se ele é limitado? A vida é uma ampulheta e eu não faço ideia de quando cairá o último grão de areia.
Qual o sentido disso aqui? A minha existência? Qual a coisa mais valiosa?.. Eu não quero a deixar escapar. Por que eu estou aqui, nessa época e com essas pessoas? Por qual razão são esses os meus amores? O que é isso aqui, dentro de mim? A vida é o que nos permite existir e por qual razão por amor somos capazes de ceifá-la? O que explica o ser humano ter apenas uma vida e destiná-la em razão do outro, por amor? O que é o amor? O amor me encanta, ao mesmo compasso que me assusta.
Sempre estive conectada e tenho um enorme apreço ao que é abstrato, pelo singelo, pelo sentir.
Naquela noite, eu reconheci que no auge dos meus vinte anos eu já conhecera todas as formas de amor. Felizmente, eu conhecia e sentia todas as formas de amor. Eu simplesmente amava, incondicionalmente, sem porquê e nem para que. Eu fui grata por isso.
Porém, também naquela noite outro pensamento chegou para me desestabilizar. Eu vi que alguém me dava amor, o mesmo amor bonito e assustador de tão imenso que eu sentia, mas que eu não estava sabendo cuidar dele. Infelizmente eu o regava, mas para crescer só a água não era o suficiente.
Digo de boca cheia: o amor é uma dádiva. Amar. Sabe, eu acredito que poucos têm essa capacidade. Amar mesmo. Na madrugada eu fui grata pelo o que eu vivi, apesar do sufoco, pelo que senti, pelo que recebi. Na madrugada fria eu sentia algo inexplicável, queimava. As minhas mãos estavam geladas, mas o meu peito ainda queimava.
Foi duro reconhecer que o meu bem me ofertava o mesmo e isso o feria, claro, pelo peso do espaço entre nós, como já disse. O reconhecimento de que algo incontrolável, imaterial, intrínseco, unipessoal e essencial de alguém estava entregue a mim, concentrado de tal maneira que pelo o ambiente machucava o seu próprio suporte, me dilacerou. Afinal, aquele alguém era alvo do amor.
O amor jamais foi um problema, pois não é. O empecilho era o estreito do ambiente, que não comportava apenas o amor. Naquela noite, eu tive sensibilidade a ponto de ver isso claramente.
Para não me machucar e para não mais machucar eu precisei me afastar. Essa foi a decisão mais difícil que eu tomei por e pelo amor.
Minutos depois da ruptura, segundos depois de fechar a porta, eu puxei o ar, mas ele não veio. Os meus pulmões inflaram, tudo queimava. Até que eu senti a dor. Dor física. Eu havia acabado de cravar uma adaga no meu coração. Acreditei que simplesmente estava assassinando o amor. Me vi hipócrita. Me vi menosprezando ou negligenciando o que eu sentia. Me vi desistindo.
Naqueles segundos sem fôlego, como num efeito dominó, eu ouvia o som dos pilares da minha vida caindo. Eu havia fechado uma porta e assistia as linhas tortuosas do meu destino se fazendo e desfazendo, construindo rumos e criando as próximas realidades quais eu sequer era capaz de imaginar, pois acreditava que nada do que haveria de vir me traria tesão pela vida, já que eu estava fazendo algo horrendo.
Ceifando o amor.
Destruindo o alicerce de tudo o que eu mais almejava, desejava e esperava dos novos alvoreceres. O futuro se consumaria vazio. Novamente, um limbo. O amor estava nas minhas mãos, se degradando. A sua poeira escapava por entre os meus dedos e, com lágrimas, num ímpeto, eu o soprei.
Recuperei o ar, puxando um fôlego forte e doloroso. Tudo havia se desfeito. Dali em diante, uma entrada nova no desconhecido. Me vi desalinhada ao meu destino.
Naquela noite eu não machuquei só quem eu amava profundamente. Eu também machuquei a mim mesma. Isso para nos salvar do ambiente estreito que estava comportando o nosso amor, ambiente que nos acariciava e dava um tapa na cara quando menos esperávamos.
Sim, eu sabia que aquilo era necessário, foi necessário. Foi doloroso. Foi difícil. Abandonando alguém que em algum lugar no tempo jamais me veria distante. Hoje, um anos depois, me orgulho dela, pois descobri que sou mais forte do que imaginava. Naquela noite eu me destruí, havia esfaqueado o meu peito, o meu coração estava ali, mas machucado.
Hoje, afirmo com convicção que é possível amar e, por amor, se afastar do alvo de todo ele.
Desde que desenvolvi a sensibilidade de reconhecer os amores que emano e os que me circundam, reconheço que o amor no seu plural é a coisa mais insana, bonita e inexplicável que sinto.
Exatamente um ano desde que tomei a decisão aparentemente incoerente, por amar.
Um ano que eu desejo estar perto, estando longe.
Um ano que estou abarrotada de uma forma específica de amor, sem distribuí-lo.
Um ano que reconheci o que é amar.
Ao contrário do que as pessoas disseminam, o amor não machuca. De maneira alguma, não machuca. As outras coisas é que machucam o amor. Ele não é um sentimento ruim. Na verdade, ele é tão puro, delicado e surge de uma forma tão sutil… por todo esse conjunto que é inexplicável.
O amor não é ruim. Se ama, apesar de. Nós nos amamos, apesar disso e daquilo. O amor prevalece. Prevalece diante de tudo e é por isso que conflitos com os nossos valores, princípios, desejos, crenças e anseios é que acabam sobressaindo e ferindo ainda mais, pela existência do amor. Quando esse conglomerado de conflitos estão no mesmo ambiente que o amor, o espaço fica pesado e estreito.
O amor é sutil e os conflitos são gritantes. Os arranhões dos conflitos ferem partes de nós, apesar da existência do amor. Os impasses dão um tapa na cara e atinge pilares diferentes da nossa vida e existência, mas não é capaz de converter o amor em outro sentimento, tão menos de diminuí-lo.
Ama-se apesar de. Apesar de… O amor é isso. É puro. O amor não machuca. Se alguém alega isso, sente qualquer outra coisa que não amor. O amor não nos impulsiona a coisas ruins. Nós simplesmente o sentimos e convivemos com ele. Os nossos princípios, os nossos valores e as nossas escolhas são motivados pelo nosso consciente, que nos permite deliberar. O amor nós simplesmente o sentimos, não se é possível apontar nem começo nem fim, não o escolhemos, não o controlamos. É o bem incorpóreo mais valioso e misterioso.
Por isso, é possível amar quem já te machucou, quem te decepcionou, quem já agiu de forma a ferir os seus valores e princípios. E não, isso não é bonito. É lamentável e, ainda assim, se ama apesar de. Acredito que isso explica a mãe que é dilacerada pelo filho que terrivelmente comete o pior dos crimes, que é ceifar a vida de outrem, e ainda assim o ama, o protege e os seus princípios e valores a levam a repudiar a conduta e entender a necessidade do agir estatal.
As coisas não se anulam. É por isso que por amor, perdoamos, mas isso não significa que a cicatriz deixa de existir, que a marca desaparece ou que a mágoa simplesmente se esvai, que os embates são esquecidos. Afinal, o amor prevalece, mas os confrontos com os nosso valores, princípios e crenças, que afetam os nossos objetivos, desejos e ambições, seja lá em qual for o pilar da nossa vida, deixam marcas que não são apagadas.
A nossa vida possui pilares. A família, a educação, a arte, a saúde, a profissão, são alguns pilares e o motivo das versões verdadeiras de nós mesmos, que são impulsionadas por desejos, crenças, valores e princípios específicos, com objetivos distintos. Conciliar tudo isso é insano. O amor, por sua vez, não está restrito a nenhum desses pilares, nem mesmo a qualquer das versões, ele emana de nós e circunda tudo isso.
O amor é complexo. Por ser complexo, inexplicável.
O amor floresce, mas somos incapazes de apontar um começo e não sei dizer que tem um fim, apesar de algo me dizer que certamente sim. A vida é finita, será que o amor, concentrado na parte mais pura de nós mesmo, está condicionado ao cair do grão de areia? Quando o nosso corpo não mais existir, o que será de mim? Não digo sobre essa casa que os outros veem e eu trato com cuidado, respeito e zelo, mas a minha essência, o que faz eu ser eu… a minha alma. Está aí outra incógnita sobre a qual nada sei, a alma.
Qual a semelhança e diferença da alma e do amor? O amor certamente é puro, qual a relação dele com a alma? Existe alma ruim? A alma sofre cicatriz? A alma comporta o amor? O sentimento emana da alma? As emoções atingem a alma ou ela é inviolável tal qual o amor? A alma e o amor se modificam, disso tenho certeza e jamais adquirem natureza ruim, será essa uma verdade só minha?
Quais são os nossos valores, princípios e crenças? Estas coisas fazem parte da alma e, por serem mutáveis, por isso que a alma se modifica? Há ligação? Se positivo, isso aniquila a ideia anterior de que a alma é límpida e pura. Até mesmo porque, não raramente os valores e princípios dos outros propagam ideias e importam em ações que colidem com os meus e com as minhas crenças, por exemplo. Qual a relação entre alma, amor e o que rotulamos por valores e princípios?
Não sei.
O amor não é o mesmo para sempre, se molda com os embates e demais experiências, se modifica assim como os valores e os princípios, mas não perde a sua natureza. O amor amadurece, assim como a alma.
A grande questão é que eu jamais saberei as respostas de tais questionamentos. Quanto à alma, apenas sei da sua existência porque é o que sou; já os meus valores, princípios e crenças o que me guia nas minhas escolhas e anseios nos pilares da minha vida, enquanto o amor é simplesmente o que eu sinto que me transborda.
Esses devaneios, hoje, só elucidam o quanto eu valorizo essas coisas. A minha essência, a minha alma, quem eu sou. Por vez, os meus valores e princípios que influenciam e modificam aquele primeiro, aliás, nem ouse me perguntar como porque também não sei apontar sequer como desabrocham. O amor eu sinto e não sei explicar…
Talvez o amor nasça com o encontro das almas, uma espécie de liame, ponte, conexão. Quem sabe seja puro por ser a comistão das partes mais puras e límpidas das almas/ de cada um de nós. Assim, atinge diferente as pessoas a depender da limpidez da alma de cada um. Talvez isso explique alguém que é amado, mas que é incapaz de amar. Quando digo amor aqui, me refiro ao sentimento em sentido amplo, não me limitando às suas formas.
Esses infindos questionamentos os quais nem sei se quero realmente desvendá-los, pois não mais teria esse passatempo que é os questionamentos e inventar hipóteses, mostram como o amor faz parte de mim. A importância dele, que é enraizado e inerente a mim. O quanto eu valorizo a vida e a imagino vazia e sem sentido sem o amor.
Aliás, tenho tesão por viver, acredito que daí a ideia de reencarnação, da existência de um depois, de um lugar para alma, de eternidade… me agrada. Será esse o objetivo da vida? Nos conectar com a parte mais límpida de nós mesmos? O amor. Que os valores e princípios primeiramente copiados das pessoas que nos rodeiam nas primeiras estações de nossa existência se modificam com as nossas vivências e embates, que felizmente se modificam e levam à evolução da nossa alma, de tal forma que a limpidez lhe acontece, que se verifica, que se torna fértil para conexões sentimentais como a empatia e o amor, claro?
O amor me é inerente e não sei explicá-lo. Apenas sinto.
Exatamente 365 dias depois eu tenho convicção de que eu não assassinei o amor, já que me é inerente.
Naquela noite, me vi perdida porque um dos pilares da minha vida cedeu e com ele, sonhos, ambições, desejos e objetivos naquele pilar. A dor foi pelo distanciamento físico e temporal das almas. O desmoronar da ponte. Mas seus destroços ainda fazem parte da minha alma. Uma vez feita a comistão, não há como ceifar o amor que desabrochou em nós, ainda que se modifique. A alma é matéria prima para o amor e passa a comportá-lo após a consequente comistão.
Por isso é possível amar alguém para sempre. Por isso é possível amar muitas pessoas e de formas diferentes. Por isso não há o amor da nossa vida, mas os amores.
O amor é sentimento duradouro, perdura. Diverge das emoções, que são estados, tal qual a felicidade e tristeza. Se ama apesar de tudo isso. Amamos na felicidade, na tristeza, na dor — independente de sua natureza. Quanto a sentimentos puros e efêmeros como saudade, empatia, são reflexos do amor.
O amor me é inerente e não sei explicá-lo. Apenas sinto. O amor me levará ao delírio.
Por amor, faço tudo. Perco batalhas, por amor. Por amor, me renovo. Quando digo por amor, é para salvaguardá-lo na sua forma mais vibrante, ou seja, as almas conectadas numa comistão constante e circular. Salvaguardar a ponte. O mais puro de duas pessoas.
O amor por si só, sozinho, apenas ele não machuca, não enfraquece.
O grande imbróglio é esse processo de conhecer rudemente o amor. O encontro consigo mesmo. Quando reconhecemos o amor, nos encontramos com a parte mais límpida e pura da nossa essência.
O amor é amplo e possui formas diferentes e as pessoas demonstram amor e se sentem amados por reflexos físicos e repercussões fáticas distintas. As manifestações de amor também se moldam.
O amor é complexo e para sempre, pensar assim me conforta.
Recordo com fidúcia as palavras que sibilei naquela estação. Exatamente como há um ano atrás, meu mais insano e desmedido amor, hoje, eu amo você e isso não vai mudar.
Confesso. Tenho receio em generalizar, apesar de cometer esse deslize, e atrelar ao coletivo uma percepção minha sobre mim mesma. Sobretudo, sobre o que eu sinto e sobre o que eu aponto por amor.
Ninguém pode apontar o dedo e equivocadamente em voz alta rotular o meu sentir. Aquilo está em mim. A grande questão é que sentimos algo e a partir das descrições alheias, rotulamos os nossos sentimentos e emoções. Será que o que o outro considera amor é o mesmo que eu sinto? A percepção é a mesma?
É inequívoco que existem formas de amor e que suas manifestações são diferentes, isso podemos identificar. Mas e sua matéria, o sentimento nos seus exatos termos, é o mesmo? Sobre isto, me recuso a fazer qualquer alegação.
Não posso afirmar sobre outro algo referente a essência dele, com espelho no que há em mim. Não posso de modo algum ousar alegar que o outro não sente, tão menos que aquilo não é amor, só porque se manifesta de forma que não me leva a me sentir/perceber amada. Ainda que eu reconheça que nossa percepção de amor seja distinta.
Já fui equivocada a tal ponto. Já errei assim, mansamente. Partindo de uma comparação com o meu sentimento e disfarçadamente alegando que o que o outro sentia poderia ser tudo, menos amor. Admiração, respeito.. Não sei. Seja lá o que fosse, não estava nem aos pés do que eu sentia. Fiz um comparativo para dizer que o que queimava dentro de mim era imenso, expansivo, circular, que não só me preenchia, como também orbitava.
Equivocadamente tentando fazer com que outra pessoa reconhecesse a preciosidade disso. Como se devesse enaltece-lo e se sentir “honrado” por ser alvo de todo ele, quando em verdade eu quem devo venerá-lo, pois está em mim, faz parte de mim, emana de mim e eu é quem sinto.
Amor, meu mais insano e desmedido amor, peço perdão por erroneamente dizer que não me amava, quando ninguém poderia ousar de tal forma. Nem mesmo eu.
O amor é individual.
Reconheço o meu erro e me desculpo por isso. 52.5600 minutos depois da ruptura, reconheço que evolui neste sentido.
Sou deslumbrada pelo amor.
Jamais terei vergonha em afirmar de boca cheia, com lábios vermelhos e sibilando lentamente e deliciosamente que amo.
Sou muito sincera comigo e respeito todos os meus sentimentos e emoções.
Eu disse amar, quando reconheci que amava.
Eu valorizo tanto isso…
Aliás, naquela madrugada do estopim, eu sussurrei “hoje, eu amo você e isso não vai mudar”.
Claro, há mágoas, cicatrizes e decepção, em razão dos embates. Mas, amo apesar de. Por amar sou incapaz de profanar, de descaracterizar e, principalmente, de enganar a mim mesma afirmando que não amo.
Amo. Mas, não daquela mesma maneira, ainda que seja a mesma forma de amor. Acredito que há maneiras de se amar alguém para sempre.
360 dias que diariamente desvendo maneiras de amar alguém à distância, de mansinho e para sempre.
Estamos novamente no outono e jamais estive tão aquecida. O meu sentimento me aquece. Sou grata por ser capaz de amar. Amo. Amo com uma força desmedida.
O que eu posso vê e tocar é somente as manifestações do amor. Deus, como eu gostaria que as pessoas que amo pudessem viver/sentir exatamente o que pulsa em mim por elas.
Ora, as declarações de amor são insuficientes para demonstrar sua imensidão.
Justamente por todo o exposto que ao reconhecer que os embates entre os valores e os princípios, anseios e desejos, estavam machucando o outro e a mim, que tomei uma decisão. Salvaguardar o amor.
Tenho horror à ideia de sofrer e, sem deliberar, colocar a culpa no amor. Machucar e justificar com o amor. Horrível. Jamais me perdoaria por dizer qualquer dessas asneiras.
O estopim para aquela noite de ruptura também partiu de mim. Foi quando pronunciei palavras cortantes e completamente falsas. Cometi o maior dos meus erros, neste sentido. Errei não só com o outro, mas comigo mesma. Disse “essa é a primeira vez que me arrependi por sentir o mundo”, quando na verdade estava cansada dos embates. Os confrontos assoberbando a minha mente. Naquele instante, me ouvi com atenção.
Segundos depois afirmei a mim mesma: o amor não machuca.
O amor prevalece, porque é amor.
Mas, as marcas dos embates não se apagam, como já disse. E eu não quero causar dor a quem amo. Não quero vê-los sofrer. Se o subterfúgio é se afastar para cessar os golpes, que assim seja. Salvaguardando a parte mais bonita de mim mesma.
Jamais iria me perdoar se permanecesse e a minha alma ficasse marcada de cicatrizes. Nem mesmo se ultrapasse os meus valores e princípios a ponto de não reconhecer a mim mesma. Tão menos se fosse machucada ou se ferisse de tal maneira a ponto de ver o amor como uma carnificina. Uma mancha de sangue na minha história.
Nada justifica perdermos a nossa essência e nem mesmo nos mantermos em ambientes e enfrentado constantes embates por amor. Ridiculamente venderam a ideia de que é normal lutar por amor. O amor não é um campo de batalha. Não devemos normalizar o que talvez seja tristemente comum: causar dor ao outro; persistir nos embates e assistir o sangue jorrar por cortes cada vez mais profundos e consequentemente não nos tratar com zelo, respeito e carinho.
Ainda assim, se ama. Se ama apesar de.
Se amamos mesmo, de verdade, desistimos dos embates para proteger e cuidar não só de nós mesmos, como também do alvo de todo o nosso amor. Sobretudo, para valorizar e se atentar a outro tipo de amor que jamais pode ser deixado de lado. O próprio.
Abri mão da sensação de viver fervorosamente os meus dias. De mergulhar naquela forma de amor. Resolvi deixar a ponte de madeira da conexão da parte mais pura de nossas almas mofar, envelhecer. As flores ali morreriam, eu sei. Não mais iria cultivá-las. Apenas as minhas restam intactas e eu não preciso fazer nenhum esforço para isso. Estarão vivas enquanto eu viver. Hão de existir enquanto eu tiver força. Força vital.
Abondar quem ama, para salvaguardar o amor. Levei o meu sentimento ao extremo para tomar essa decisão.
Confesso, as cicatrizes daquela noite ainda queimam com o toque mais sutil.
Desde então, nos dias frios chorei ao recordar os dias quentes em que me arrepiei dos pés à nuca com aquele deslize. Chorei por recordar com fidúcia o teu olhar e o que me envolvia ao sussurrar “eu trocaria a eternidade por esta noite”. Chorei por reconhecer que não matarei o desejo de viver mais noites como aquela.
O amor nós protegemos, enquanto os desejos temos uma gana doentia por matá-los para nos satisfazer. Percebe a diferença?
Chorei por saber que não ceifarei o desejo de toda uma vida compartilhando tardes como aquelas. As nossas tardes. Chorei por saber que não hei de matar o desejo de assistir, junto com o mudar das estações e o cair das folhas do cinamomo o teu rosto envelhecer junto ao meu.
Naquela madrugada, ao fechar a porta com cuidado, eu senti dor. Mas não era do amor, como acreditei à época. O amor por si só não machuca. O amor queimava e a minha dor foi não só pela queda da pilastra, nem apenas pelo limbo, mas também foi por aceitar que não iria aniquilar todos aqueles desejos.
Hoje, faz exatamente um ano que eu ainda lamento pelos desejos que não matei, pelos sonhos que se desmancharam, pela esperança que foi ceifada, pela incerteza do futuro. Não raramente ao lembrar do conforto e aconchego do amor, apesar do ar rarefeito, lágrimas percorrem o meu rosto.
Confesso, tem dias e instantes que, sem mais nem menos, desmorono. Claro, por amar e reconhecer que o alvo de todo ele não faz a menor ideia do quanto eu sinto. Por não ter mais a oportunidade de tateá-lo ou vê-lo nos seus exatos termos.
No entanto, felizmente, é um ano que reconheço o quanto amo. Que dou atenção a cada uma das formas de amor. Que tenho sensibilidade em reconhecê-las.
Serei eternamente agradecida a mim mesma, ao universo… por amar.
Sou um ser humano realizado, simplesmente por amar.
Eu amo.
Amo sem porquê, nem para que. Não há nada mais belo, nem mais insano.
Amo de todas as formas, cores e facetas. Ainda que demonstre todos da mesma maneira. Com as palavras.
Alguns eu amo de perto. Outros eu amo a distância. Tem um que eu amo em silêncio. Amo de mansinho. Os tenho com muito respeito. Os admiro.
Independente de seja lá o que for, seja lá o que tenha acontecido, por amar, os quero bem. Desejo que sejam amados. Que as pessoas que os amem demonstrem amor da forma que os levem a reconhecer que são amados. E, claro, para isso, desejo primariamente que evoluam, como ser humano. Que sejam pessoas boas. Que tenham almas puras. Que sejam capazes de amar.
Essas minhas palavras de afirmação, são dotadas de amor.
Eu valorizo tanto o que sinto, assim como as palavras.
As minhas palavras de amor carregam sinceridade. Aliás, sempre carregaram.
Eu disse amar apenas quando reconheci que amava.
Pin It
Atualizado em: Dom 23 Maio 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222