person_outline



search

CARTA QUE EU GOSTARIA DE RECEBER DE MAMÃE

 
   Paraíso, ...... de ............. de .......
   Luiz, meu querido filho!
     Já faz um bom tempo que estou morando no Paraíso. Em 29 de janeiro de 2007, bem depois das 19 horas, aqui cheguei. Neste lugar não há calendário, não há relógio, tudo é infinito.
     Luiz, gostaria de dizer que fiquei muito triste ao deixar toda a nossa família aí, principalmente meu companheiro de tantos anos, o João, seu pai. Foi doloroso desligar-me de todos vocês. No entanto, ao chegar aqui, fui recebida com muito carinho por Deus, o nosso Pai Eterno, Jesus, o meu Sagrado Coração de Jesus. Do lado deles, adivinha quem estava toda bonita, cheia de ternura? Nossa Senhora.
     Abraçaram-me, desejando-me boas-vindas e dizendo que, a partir daquele momento, eu ocuparia um lugar especial no céu. Disseram-me que eu não me preocupasse, que, brevemente, me acostumaria à nova casa.
     Não demorou muito, não posso afirmar quantos anos, quantos meses, quantos dias, pois aqui não há relógio, calendário, como disse anteriormente, eis que aparece seu pai. Estava com a carinha boa, mas espantado com tudo que via neste lugar tão especial. Daqui a pouco vou falar um pouco dele e como ele está.
     Foi muito difícil compreender toda essa passagem da vida terrena para a vida espiritual. Sempre fui muito agarrada à nossa família e fiquei, posso assim dizer, muito preocupada com vocês. Maria, nossa mãe, é muito generosa. Sempre está do meu lado e demonstra muita preocupação com as pessoas da Terra. Percebo que ela conversa muito com Jesus sobre as dificuldades que vêm aparecendo no dia a dia da Humanidade, intercedendo por todos.
     Vou relatar agora sobre um pouco de minha rotina diária. Aqui não existe doença. Não existe noite. Não existe choro. Não há lágrimas. A vida eterna, como sempre ouvi falar, quando estava na Terra, e não compreendia, é algo fascinante. Há muita luz. Muita luz. Resplandecendo sem parar. Há belos jardins, com flores de todas as espécies. Passarinhos, aos montes. Regatos com águas cristalinas. Participo de algumas reuniões. Nelas percebo a presença de muitos santos de minha devoção: Santo Antônio, São Geraldo, Santo Afonso Maria de Ligório, Santa Terezinha, São João Bosco etc. etc. Sempre sorrindo. Estão aqui também, muitas pessoas que fazem parte de nossa família. Seus avós, tios, amigos, conterrâneos etc. A felicidade aqui é plena. Ah, sobre as reuniões: participo e tenho a oportunidade de falar. O assunto é sempre o mesmo: funcionar como um anjo protetor das pessoas a quem mais amamos e estão ainda aí na Terra.
     Não me esqueço de vocês. Estou sempre procurando ajudá-los nos momentos de dificuldade, de doenças, nas horas de insegurança, enfim, acho que a missão que recebi de Deus foi de ser um anjo protetor, principalmente de meus filhos e netos. O Pai Eterno me incumbiu de ajudá-los no que for preciso, até que chegue o dia de também poderem chegar até aqui.
     E o seu pai? Está aqui. Daquele mesmo jeitinho. Sereno, tranquilo, amoroso. Foi recebido com festa e, tão logo chegou, não pude deixar de abraçá-lo com todo carinho. Ele, em algumas oportunidades, me falou que se preocupa muito com vocês e que gostaria de dizer o quanto os ama. Manifestou-se pesaroso quando deixou a família aí. Agora já está conformado e muito feliz. Participa das atividades organizadas aqui no Paraíso.
     Noutro dia, vou escrever de novo para você. Não posso deixar de dizer que seu pai e eu estamos muito felizes. Nada nos falta. Só temos alegria. Está tudo de acordo com o que Jesus prometeu para aqueles que seguissem seus ensinamentos.
     Peço que diga ao Zezé, ao Nini, ao Geraldo, ao Marinho e à Aparecida, para não se preocuparem conosco. Quem chega até aqui está feliz e cheio de glória. Só peço que vivam com dignidade, respeitem o próximo, que ajudem os mais necessitados e não façam mal a ninguém. Ah, outra coisa, peço que acreditem na força das orações. Façam isso todos os dias. Nosso Deus dá muito valor às orações de seus filhos.
     Abraço amoroso cheio de luz, de sua mãe e de seu pai.
     MARIA DAS DORES E JOÃO PEREIRA
Meus pais:
João Pereira de Souza:     * 05.08.1913 - + 19.04.2008
Maria das Dores de Souza: * 27.07.1916 -   + 29.01.2007
Pin It
Atualizado em: Qui 14 Jan 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222