person_outline



search

Abajúr

Quando eu parei
Olhei pro fundo do céu
E imaginei o que seria de mim?
Senti a brisa bater na minha cara
Senti os versos que fiz e os refazí
Para sentir de vez, de novo
E olhar para o clarão
Para alinhar em um horizonte
Com toda a calma que o fiz.

A chuva ao cair
Batendo no vitrô da janela
Com toda a calma que faz
Com esta calma que o mar traz

Pensei 'num' punhado de paz
Pensando em pequeno clarão
A chama da vela acesa
A luz de um só solidão
A vida reflete o que faz
Em pequenos gestos de amor
A mesma pergunta que o cerca
Verdade na pele em calor

O meio do meu pensamento
Que se inicia no final
Que objetivo seria este?
Se não imaginasse mais nada
Já nem quero acordar
Vazio de alma
Sem a paz que carrego
Sem o dia lembrar
Que um dia quem teve coração
Está perto do que procurou
Em vez de não acreditar
Em vez de fugir da dor
A vida se mostra mais vida
Se vivida em teu caos
O caos que transforma as frases
Em momentos bons pra recordar
Carrego em meu pensamento
A frase que melhor se encaixar
O amor que carrego no peito
Esta fase que eu sempre quis

Vazio hoje não há
E nem deveria existir
Clarão hoje me iluminou
E a luz sobre mim me inspirou.

Pensei num punhado de paz
Em um pequeno clarão
A chama da vela acesa
A luz sob mim, solidão.
Pin It
Atualizado em: Sex 1 Jan 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222