person_outline



search

Deixe o Karl Cair parte 6

E por ultimo (por enquanto) e não menos importante, o capítulo sete. Esse eu demorei finalizar, serio. 
Se eu gosto dele, ele também
gosta de mim?
Nesse capítulo que você pode achar extremamente triste, ou só pensar após ter lido que “that’s the way the life is”, vou mostrar uma possível realidade de muitos de vocês, caros leitores: a decepção. A capacidade que as pessoas das quais a gente mais gosta parecerem ter nascido com o dom de nos decepcionar. Ou talvez sejamos nós que esperamos muito delas e essa expectativa obviamente não é alcançada. Ninguém é telepata, e mesmo se fosse, que alguém conseguisse ler nossa mente e saber nossas vontades, duvido que as faria.
Ainda não lhe apresentei a minha irmã, no caso a mais velha, o nome dela é Camila. Ela é bonita, popular e levemente narcisista também. Mas eu dou uma trégua para ela em relação ao narcisismo, só durante a adolescência dela que isso ocorreu... ah, os “aborrecentes”...
A minha amizade com o Vinicius fez com que eu comentasse sobre ele para a Camila, e aí eu fiquei sabendo que ela já tinha dado não um, mas três BOLOS nele. Caso você cidadão do futuro não saiba o que é a gíria “bolo”, é quando você marca de sair com uma pessoa e não vai.
Quando fiquei sabendo disso eu ri muito, mas a minha empatia me fez ter pena do coitado, por conta disso falei para minha irmã dar uma chance a ele.
Durante esse meio tempo da conversa e tal, eu apelidei o Vinicius de “lerdão” porque ele é de fato assim, e no vai e vem das nossas conversas ele comentou que duvidava da minha capacidade, algo assim. Ó não, lá vamos nós de novo com essa história de “eu duvido” ! Dito isso, falei para um moleque da sala dele começar a chamá-lo assim, ir irritando ele e repetindo isso.
Já que o Vinicius era famosinho, obviamente ele tinha uma namoradinha. Não sabia se era algo sério ou não, mas depois de eu eventualmente conversar com ela por 10 segundos, passou a me cumprimentar todos os dias de manhã quando eu chegava na escola, como se fôssemos amigas.
Ela era uma loira de altura mediana bem bonita, e toda vez que eu via os dois juntos estavam se agarrando... então sei lá, estavam bem apaixonados ou bem fogosos.
Poucos dias depois, minha irmã decidiu que sairia de fato com ele. Era um final de semana, talvez sexta e eu não tinha nada melhor para fazer além de apoiar o role e saber dos fatos mais tarde.
Por alguma razão da qual não me lembro mais, fiquei sem saber o que aconteceu entre os dois... e como você bem sabe, os finais de semana infelizmente passam muito rápido, portanto já começava uma segunda.
Meu dia na sala foi meio diferente, porque tinha uma professora substituta de geografia. A coitada tinha zero controle da turma e definitivamente a maior parte dos alunos não estavam entendendo o que ela explicava. Tive que bancar a professora novamente, é claro. Sempre fui de aprender as matérias sozinha e tal.
Tirando a minha previsão de que as notas iriam cair em geografia, o resto das coisas pareciam tranquilas.
Quando cheguei em casa e abri as minhas mensagens, vi que tinha uma da namorada do Vinicius. Claro que achei estranho, mas ok, vamos ver o que ela quer.
Ela ficou me perguntando algumas coisas sobre o namorado dela, já que eu tinha amizade com ele, o conhecia e blá blá blá... Até que veio a pergunta:  “ você sabe se ele tá saindo com mais alguém?”
Esse questionamento definitivamente era um problema para mim, primeiro porque eu não gostava de dar satisfação da vida da minha irmã para estranhos. E segundo, se eu dissesse o que eu sabia, estaria ferrando com o meu amigo. Que situação, meus queridos!
Pensei um pouco e respondi para ela que se quisesse saber sobre a vida dele, que perguntasse ao próprio! Pronto, agora perdi a minha “amizade” de corredor e o Vini vai achar que armei para ele... que maravilha de segunda eu tive.
Pin It
Atualizado em: Dom 21 Jun 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222