person_outline



search

Livres como pássaros

Pássaros são quase autossuficientes. E eu considero que, em alguma medida, também, nós, somos. Para tanto, vê-se a necessidade de auto perceber-se e estar plenamente em um abraço contínuo que se constitui muito mais numa relação eu-eu. Para alguns, egoísmo, para outros, autopreservação. Mas como definir qual é qual? A linha é tão tênue. O segredo está na medida.
É urgente preservar-se e sei que isso está explícito em tempos como estes. A pergunta que se faz e que me faço é: como fazê-lo? Como perceber que precisamos de nós e da natureza de maneira primordial e primeira para, só depois, nos termos com o grande Outro? Sim, acontecimentos parecem ser para nós maior do que as nossas forças e, não poucas vezes, lidar com o outro que nos constitui e ainda com as subjetividades alheias transcende o poder da palavra. Precisamos de mais.
Pensando nos pássaros. Vês que há beleza? O que admiras, afinal? As cores ou a liberdade que te provoca ao vislumbrar aqueles pousos livres sem hora nem lugar? Qual a nossa diferença no quesito beleza com relação a estes seres? Penso que nossas amarras são mentais e é a partir delas que nos desconectamos com um propósito maior de existir e estar no mundo. Os pássaros, como funcionam? São livres. É possível ser pássaro?
Os pássaros também, diferentes de nós, talvez não se rotulem, pois são livres para ser e admirar a paisagem sem imagens pré-definidas das coisas. Amamos os pássaros, mas os prendemos, caso achemos destaque em um deles. E por que o fazemos? Até que ponto estamos livres para admirar uma coisa sem aprisiona-la às nossas formas de ver o mundo? Moramos em casas, criamos gaiolas podando um dos sentimentos que mais ansiamos: a liberdade.
O belo existe, sim, e é possível encontra-lo em você, em nós, nessa ‘’autossuficiência’’ que persiste em nos mostrar, em momento meditativo, que o importante é o agora e o que fica, no fim das contas, somos nós e nossas experiências enquanto seres eternos.
É possível, sim, marcar a nossa história no tempo e a cada um de nós cabe escrevê-la. Há diversos pontos de vista, mas só o de cada um importa quando falamos em transformação íntima. Dar ouvido a nós mesmos e às nossas intuições nos faz pássaros em liberdade vivendo o melhor momento de nossas existências: o agora.
Pin It
Atualizado em: Qua 10 Jun 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222