person_outline



search

Rodízio I

O Exterminador dos Futuros e o Abominável Bruno das Covas
 
O presidente incluiu salões de beleza, barbearias e academias como serviços essenciais, para poderem abrir normalmente. Vários governadores, politicamente, não cumprirão essa decisão. E essa briga política estende tentáculos sobre medicamentos, que, por serem de indicação política de outro espectro ideológico, acabam tendo que ser escondidos.
 
Para o filho de quem vende bala no farol, serviço essencial é vender bala no farol; para a família de quem pega papelão na rua, serviço essencial é pegar papelão na rua; ou seja, todo trabalho é indispensável para os que dependem dele. É muita arrogância condenar, contrariando uma ordem, pessoas a uma quarentena interminável. Essa quarentena, estúpida, está sendo prorrogada ad infinitum, sempre quando se aproxima do término. Se a tentativa de evitar a aglomeração estivesse funcionando não iria desembocar no lockdown (confinamento).
 
A medida aleatória do governador, Exterminador dos Futuros, foi desastrada. A decisão trouxe,  sem estudos, na base de tentativa e erro, experiências acessórias absurdas do prefeito de São Paulo, o Abominável Bruno das Covas. Exemplos: “leis” arbitrárias, portas de lojas soldadas, vias interditadas e um, inexplicável, rodízio. No Brasil, vemos invasões, prisões, toque de recolher e rodízio de gente! A dupla é do mesmo partido e faz uma dobradinha na insensatez administrativa.
 
João Dória, o marqueteiro, revela não ser o líder que o estado precisa: lança medidas a esmo, finge querer salvar vidas e diz, mostrando que o navio não tem capitão, “cenário é desolador. O pusilânime governador queria nacionalizar o seu nome e teve êxito. Hoje, o “Fora, Dória” é gritado nos extremos do País, Caburaí ao Chuí (antigo do Oiapoque ao Chuí).

 

Pin It
Atualizado em: Ter 19 Maio 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222