person_outline



search

Esmeraldas

Eu abro meus olhos. 
Uma máscara dourada com olhos de esmeralda luminosos está na minha frente, seus traços carnavalescos venezianos reluzem no tom verde vindo de seus olhos. Seu véu caminha até meus pés, e pelo meio dos panos transparente saem duas mãos, uma que encontra meu pescoço. Seu toque é leve, frio, mas ao mesmo tempo eu não consigo respirar. Sua outra mão está estendida sobre meu peito, como se quisesse sentir as batidas do meu coração. Gotas de chuva pingam como trilha sonora, assim como o respirar da máscara. Você tem minha alma já, não é? Você veio buscar a carne para sepulta-la? Você vai me carregar flutuando pelas ruas vazias da noite do interior? Meus olhos verão sob o ar da noite o reflexo das minhas memórias no asfalto molhado? O tempo. Ele é estranho. É você? Você é o tempo? Você veio me resgatar do amanhã? Você veio me punir pelo ontem? Você viu, no hoje, a única coisa que importava em mim? As esmeraldas no seus olhos, o que são elas? Eu devo olhar para elas e buscar pelo reflexo da minha alma? Devo olhar e esperar rostos? Momentos? Atos?
O relógio da igreja toca. São 0h. A mão assentada no meu peito se solta e uma corrente negra surge nela. Ela não é de aço, ela é de carvão e em seus sulcos quebrados se vê a chama. Ela enrolou a corrente pelo meu pescoço. A corrente falava meu nome ao pé do meu ouvido, mas cada vez que falava, uma outra voz me chamava. Eu tinha me esquecido de como alguma dessas vozes eram, mas o que importa, agora elas estão me cobrando. 
Sou puxado pela janela aberta e levado passear como imaginei. Engraçada a vista daqui, vejo poucos guarda chuvas. Engraçado também como pareço ter destino. Eu estou numa peregrinação? Eu fui chamado? Eu não sei. Essa corrente me sufoca, eu não tenho voz, mas eu não entendo. Um dia eu tive ela? Minha voz foi poderosa e agora meu dever é o silêncio? Por favor, assombração, me carrege. Nos seus braços provavelmente me encontrarei. Entre os vivos, somente a fuligem de tudo que amei restou sobre meus pés. 
Estamos abaixando, pelo visto até uma praça. Ao lado de alguns bancos existem vigas, onde o espectro me amarra como um cachorro. Eu sou um cachorro esperando seu dono? Ou dona. Não sei. 
Antes de sua despedida, o espectro aponta a esquerda e me mostra meu carro, deixa uma garrafa de conhaque em minha mão e junta seu rosto ao meu. Eu nunca me senti tão próximo de alguém dessa maneira e nunca mais vou me sentir assim mais.
Boa noite, amor. 

 

Pin It
Atualizado em: Seg 4 Maio 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222