person_outline



search

Cruz, símbolo de Amor!

A cruz, VERMELHA
            Símbolo de sofrimento e punição para alguns, mas acima de tudo, para nós cristãos é símbolo de vitória, fé, recomeço, amor e doação. Cristo morreu em uma cruz para que assim a promessa divina do Pai Criador se cumprisse. Não punido, pois não praticou nenhum mal, porém carregou-a com afabilidade por cada um de nós, assim nos remindo de todos os pecados e garantindo-nos a salvação.
Todos nós carregamos uma cruz durante nossa vida; saibamos dedicá-la a Deus. Jesus mesmo nos faz o convite “toma sua cruz e segue-me” (Lc 9,23). A vida dos santos é alicerçada na vivência do evangelho de Cristo e nas suas experiências com a cruz.
São Camilo de Lellis, em sua vida dedicada aos enfermos não poderia ser diferente, vivendo em seu dia-a-dia a máxima do evangelho “Estive enfermo, e me visitastes” (Mt 25,36), enxergava no doente o próprio Jesus, logo soube e sentiu que sua cruz era derramar sobre o irmão enfermos o amor dedicado de uma mãe, que cuida de seu filho único doente. Pois “O que você fizer ao menor dos meus irmãos, a mim o fazes” (Mt 25,40).
 Em certo momento de sua vida, Camilo enfrentou uma repressão por parte dos responsáveis pelo hospital em que exercia seu apostolado junto aos enfermos, o proibiram de reunir-se para rezar e ordenaram que retirasse o crucifixo imediatamente do oratório e acrescentaram se quisessem rezar, que fosse para alguma igreja, pois próximo ao hospital havia várias. Tomou então o crucifixo que ficava no local de oração com os demais companheiros, que mais tarde fariam força com Camilo na companhia por ele fundada, e o levou para seu quarto e lá teve uma experiência mística magnífica com o crucificado, no qual nos relata muito bem Sanzio Cicatelli, no seu livro A Vida do Pe. Camilo de Lellis:
                     "Naquele dia, Camilo deitou aborrecido por causa da proibição boa parte da noite ruindo o incômodo pensamento, quando finalmente, cansado de pensar, adormeceu. Durante o sono, pareceu-lhe ver o santíssimo crucifixo do oratório, que tinha levado para seu quarto, o qual, mexendo a sagrada cabeça, o animava, confortando-o e confirmando-o no bom propósito de fundar a companhia. Parecia que lhe dissesse: “Não tenhas medo, pusilânime! Segue em frente que eu te ajudarei e estarei contigo e tirarei muito proveito dessa proibição. (CICATELLI, Sanzio. Livro: A VIDA DE PE. CAMILO de LELLIS, 2ª edição, p 73)."
                         Emanando esperança e força para Camilo continuar, e consolo ao seu coração aflito. Da mesma forma levou aos seus companheiros esse entusiasmo e a confirmação da presença divina nesta caminhada que acabavam de iniciar.
A cruz é o símbolo do cristianismo. Mas por que uma cruz vermelha como símbolo da Ordem Religiosa? Sua mãe Camila, teve um sonho, no qual via seu filho com um grupo de homens, e no peito carregavam uma cruz vermelha, a princípio não entendeu, ficou assustada, mas ali estava o anúncio da missão de seu filho Camilo.
Mais tarde converteu-se, e fundou primeiramente uma companhia de homens piedosos, que eram funcionários do próprio hospital, compunha também esse grupo  Pe. Francisco Profeta o capelão da instituição de saúde, com o passar do tempo em vista do crescimento torna-se uma congregação até ser erigida a Ordem Religiosa, com a nomeação de Ordem dos Ministros dos Enfermos (OS CAMILIANOS).
 Erigida à Ordem Religiosa e tendo aprovação para o uso do hábito (veste própria dos religiosos e religiosas), se fazia necessário um símbolo para representar o carisma vivenciado por tais religiosos, daí então veio a lembrança do sonho que sua mãe tivera, adotando, portanto tal prenúncio divino,  a cruz vermelha surgiu em 26 de junho de 1586, aprovada pelo Papa Sisto V, uma cruz de pano grosso e de cor avermelhada, popularmente chamado tanê. Costurando-a no lado direito do peito da batina e sobre o manto, logo todos os religiosos estavam com o distintivo da congregação, muitos questionavam o porquê de ser do lado direito, Camilo dizia que para que ficasse mais avista de todos e não ser coberta pelo manto, há um escrito que diz:
                      "A nossa congregação, porém, cuja finalidade é defender as almas dos moribundos em sua batalha final e luta com a morte, a traz do lado direito como espada afiada e arma ofensiva para atacar e destroçar os demônios, que são os piores inimigos de tão poderoso sinal. (CICATELLI, Sanzio. Livro: A VIDA DE PE. CAMILO de LELLIS, 2ª edição, p 118)."
           
            Carreguemo-nos a cruz de Cristo sem medo, assumamos nossa missão, pois na cruz foi à libertação das amarras, do medo e da falta de sensibilidade pelos que mais sofrem. Amai-vos uns aos outro como eu vos tenho amado, assim diz o Senhor, pois foi esse amor esponsal que Deus derramou sobre todos nós na crucifixão de seu único filho.
            Não sejamos um povo temeroso em carregar a cruz, a exemplo de São Camilo de Lellis que recebeu olhares tortos, incompreensão e deboches, mas que não o fez recuar sejamos ser firmes no carregar o madeiro, pois, sabia Camilo que ali no peito carregava a mais pura e verdadeira prova de amor. A Cruz.
Michael Sousa Lima-Seminarista Camiliano
Pin It
Atualizado em: Seg 25 Nov 2019

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222