person_outline



search

A má amada (peça de teatro)

TODOS NA FILA ÚNICA: entram no palco, insinuando a lotação de um ônibus. Enfileirado, e o motorista insinuando o ônibus ligado, todos dão quatro voltas no palco, indo de uma direção a outra.
MOTORISTA: simula com a boca o sinal para o ônibus fazer uma parada.
PASSAGEIRO 1: simula com a boca o sinal para o ônibus fazer a parada para o mesmo descer.
EDU: está no ponto de ônibus do lado de fora. Dá o sinal para o ônibus parar com a finalidade de ele pegar a condu-ção.
MOTORISTA: simula com a boca o barulho do ônibus parando no ponto para pegá-lo.
EDU: entra no ônibus.
MOTORISTA: bota o ônibus para rodar. Dá mais três volta no palco. Até DONA FLORA aparecer e dar o sinal para a condução.
DONA FLORA: dá o sinal para a condução.
MOTORISTA: simula com a boca o sinal para o ônibus pegar a próxima passageira.
EDU: disfarça que não a vê, tenta esconder entre outros passageiros da condução.
DONA FLORA: o avista, o reconhece e vá próximo dele puxando assunto. Nessa conversa entre eles, soltar som daquelas conversas rapidinhas onde se usam muito em programas humorísticos.
ENQUANDO ELES VÃO CONVERSANDO, O MOTORISTA DÁ UMAS QUATRO VOLTAS NO PALCO COM A FILA. APÓS ISSO, D. FLORA E EDU DÃO SINAL PARA DESCEREM DO ÔNIBUS. AO DESCEREM DO ÔNIBUS, SOMENTE ELES CONTI-NUAM NO PALCO, JÁ O ÔNIBUS COM A FILA SOME DE VISTA.
DONA FLORA E EDU: descem do ônibus.
DONA FLORA: avista um sujeito entrando em cena. Ela suspeita dele e sussurra algo para EDU.
SUSPEITO: ao entrar na sala, estilo bem malandro. O som de Coolio Gangsta's Paradise soa pelo estabelecimento. Enquanto o suspeito contagia o púbico com a música DONA FLORA E EDU se congela no palco. O suspeito tem que após os outros dois personagens se congelarem. Dançar e ir em direção do público, apenas para contagiá-los por pouco tempo.
SUSPEITO: som para. Ele volta para atuar. Segue vagarosamente em direção de DONA FLORA.
EDU: demonstra inseguro com o suspeito.
DONA FLORA: cuidado com aquele dali.
EDU: coça a cabeça, respira fundo e demonstra tenso.
DONA FLORA: se ele ousar a nos roubar, enfio a bolsa na cara dele.
DONA FLORA: troca a bolsa de braço.
SUSPEITO: aproxima
DONA FLORA: dá lhe uma rasteira, o lança no chão e começa o esbofeteá-lo.
SUSPEITO: se defende dos ataques, grita por socorro, mas não consegue se livras das garras de DONA FLORA.
EDU: se apavora, mas não sabe quem socorrer.
O CARRO DA POLICIA CHEGA: dois caras vestidos de policiais. Ambos insinuando com a boca a sirene ligada. Dão três voltas pelo palco. Pausam o som da sirene.
SOLDADO 2: simula tiro para o alto.
DONA FLORA E O SUSPEITO: são apartados pelos policiais.
SOLDADO 1: Mas o que está acontecendo aqui?
DONA FLORA, O SUSPEITO E EDU: são colocados no camburão (os três enfileirados atrás dos policiais).
O CAMBURÃO: dá três voltas pelo palco e somem de cena.
EDU: triste, volta lentamente passeando pelo palco. Resmungando em voz alta, logo direcionando para o público. “PRECISO ME LIVRAR DELA”
EDU: pausa e fala alto “EU JÁ SEI...”
EDU: some do palco.
O som Pretty Woman, música do filme Uma Linda Mulher, soa pelo ambiente.
EDU: surge de bicicleta pelo palco, andando de um lado para o outro. Cada ida de um lado para o outro no palco, ele carrega um cartaz:
UM MÊS SEM A MÁ AMADA
DOIS MESES SEM A MALA SEM ALÇA
TRÊS MESES SEM OUVIR A VOZ DELA
QUATRO MESES SEM A MÁ AMADA
CINCO MESES SEM A MALA SEM ALÇA
SEIS MESES SEM OUVIR A VOZ DA MÁ AMADA
O som some de cena. EDU dá mais uma volta de bicicleta no palco.
DONA FLORA: aparece de carro.
Ambos se chocam. (no momento desse chocamento, um forte som de batida de carro se ouve no estabelecimento).
EDU: cai no chão.
DONA FLORA: corre o socorre. O reconhece. ‘’É VOCÊ? EU TE CONHEÇO”
EDU: se levanta levemente demonstrando dores. “A SENHORA ESTÁ ENGANADA”
DONA FLORA: CONHEÇO SIM. VOCÊ É...
DONA FLORA: o levanta “COMO VOCÊ ESTÁ?”
DONA FLORA: o ajuda a levantar e o dá carona no carro dela. Colocando a bicicleta no porta mala.
DONA FLORA E EDU: já estão no carro. Dão várias voltas pelo palco
DONA FLORA: “VOU ME CASAR”
EDU: assusta
DONA FLORA: adivinha com quem?
EDU: NÃO FAÇO IDEIA...
DONA FLORA: chuta!
EDU: teu namorado.
DONA FLORA: isso mesmo, meu ex-patrão. Aquele que eu vivia te falando.
DONA FLORA: se congela.
EDU (PASMADO): se direciona ao púbico
“COMO ASSIM? CASAR COM O EX-PATRÃO? ATORMENTOU-ME A VIDA INTEIRA, FALANDO DELE PARA MIME AGORA VÃO SE CASAR? NÃO É POSSÍVEL. SÓ PODE SER UMA MÁ AMADA MESMA.
EDU (VOLTA A DIRECIONÁ-LA, MAS ELA CONTINUA CONGELADA): CÍNICA! MÁ AMADA!
EDU: volta para a carona
DONA FLORA: volta a falar: “ESTAVA A SUA PROCURA. GOSTARIA QUE VOCÊ O MEU PADRINHO DE CASAMENTO”.
EDU: eu não sei!
DONA FLORA: não aceito não como resposta.
EDU: pensativo ofegantemente
DONA FLORA: se congela novamente.
EDU: direciona ao público: “ALÉM DE CÍNICA É FOLGADA. ADURÁ-LA CASAR COM O CARA QUE ME ATORMENTOU A VIDA INTEIRA...”.
EDU: volta para DONA FLORA.
DONA FLORA: e aí, vai me negar?
EDU (decepcionado): encara o público.
O som “Christina Perri - A Thousand Years” toma conta do palco.
DONA FLORA E EDU somem do palco através da carona dela.
DONA FLORA: surge do ponto do palco vestida de noiva e acompanhada de um homem a levanto ao altar.
EDU, O NOIVO, O JUIZ: estão do outro lado do palco, aguardando a noiva para a cerimônia.
A CERIMÔNIA ACONTECE.
TODOS OS PERSONAGENS SE DESPEDEM DO PÚBLICO NUMA FILA AMBOS DE FRENTE À PLATEIA.
Pin It
Atualizado em: Seg 7 Out 2019

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222