person_outline



search

"teu dia,"

"Fora de casa sois pinturas; nos quartos, sinos; santas, quando ofendeis; demônios puros, quando sois ofendidas; chocarreiras no governo da casa e boas donas do lar quando na cama."
(Hamlet) Ato II - Cena I
...
a tinta da parede descasca-se. por intermédio relutante em demover a real ilustração ou cor. por ensejo dos olhos a observarem, essa parede por tanto tempo, é, agora.. exclusão. por demanda e forma latente de indicar o conceito dirigido a um ponto ruim.. uma falha.. um caráter ruim de negar à vista, toda e qualquer conformidade de um erro aparente. a parede vai perdendo a sua maquilagem.. e o despertar da sensação que apregoa é inadvertidamente, insatisfatória.. qual fosse uma cena ruim.. de um filme ruim e falas graves.. deixadas, essas falas, às suas descidas de qualidade. um ponto aceso da virtude que desaba.. um acesso que não existe e também não quer mais ser.. a palavra rifada. despida e percutida em falta relativa ao culto inverso de si. a parede cairá.. e não pode des-pertencer daquilo que realmente, é. por insidioso caso de proposta..  por mentira e negação. por exclusão de. e, ao fato final.. desperdício! qual rescisão aventurada de uma história criada, apenas.. em detrimento obsoleto por reinar à curva de um asfalto que desprende-se e torna o ar rarefeito.. cai a presunção de um apego reles.. cai a percepção! cai o curso que desanuvia um alvo imposto por controladoria da ilusão.. cai a verdade mascarada! e cai também, a informação. que não mais haverá. não mais subirá em regra de contato e cai por terra.. o nome, a fome, a insistência, a presença e o que mais seria. até mesmo..a tinta da parede descasca-se. por intermédio relutante em demover a real ilustração ou cor. por ensejo dos olhos a observarem, essa parede por tanto tempo, é, agora.. exclusão. por demanda e forma latente de indicar o conceito dirigido a um ponto ruim.. uma falha.. um caráter ruim de negar à vista, toda e qualquer conformidade de um erro aparente. a parede vai perdendo a sua maquilagem.. e o despertar da sensação que apregoa é inadvertidamente, insatisfatória.. qual fosse uma cena ruim.. de um filme ruim e falas graves.. deixadas, essas falas, às suas descidas de qualidade. um ponto aceso da virtude que desaba.. um acesso que não existe e também não quer mais ser.. a palavra rifada. despida e percutida em falta relativa ao culto inverso de si. a parede cairá.. e não pode des-pertencer daquilo que realmente, é. por insidioso caso de proposta..  por mentira e negação. por exclusão de. e, ao fato final.. desperdício! qual rescisão aventurada de uma história criada, apenas.. em detrimento obsoleto por reinar à curva de um asfalto que desprende-se e torna o ar rarefeito.. cai a presunção de um apego reles.. cai a percepção! cai o curso que desanuvia um alvo imposto por controladoria da ilusão.. cai a verdade mascarada! e cai também, a informação. que não mais haverá. não mais subirá em regra de contato e cai por terra.. o nome, a fome, a insistência, a presença e o que mais seria. até mesmo..
..o (teu)dia.
Pin It
Atualizado em: Qui 18 Jul 2019

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222