person_outline



search

A Causa e o Propósito do Sofrimento – capítulo 39

Eliú cessou de repreender Jó no 36º capítulo do seu livro, para exaltar somente a Deus.

Ele ressalta que Deus é justo, de modo que não preservará a vida do ímpio, mas aos aflitos fará justiça, assim como certamente faria a Jó, porque apesar de estar em grande aflição, era justo, e por isso poderia contar com o livramento de Deus (v. 6).

Caso um justo fosse achado preso em grilhões, amarrado com as cordas de aflição, então seria por motivo de o Senhor pretender manifestar as transgressões deste justo que estivesse se portando com soberba.

Mas o Senhor não manteria o justo soberbo apenas debaixo da aflição para lhe curar do seu orgulho, como também lhe abriria o ouvido para a instrução, ordenando-lhe que se converta da iniquidade.

Se houvesse arrependimento, e servissem ao Senhor, os seus dias seriam prósperos, e os seus anos terminariam em delícias.

Mas caso se endurecessem, então seriam apanhados pela espada do juízo do Senhor, e expirariam sem o conhecimento que Ele pretendia lhes dar, e eles deixaram de recebê-lo por causa do endurecimento deles.

Isto está muito de acordo com a disciplina que é exercida pelo Senhor na Igreja. Cristãos rebeldes que não se deixam admoestar e que não se arrependem de seus pecados são tratados como gentios e publicanos, e por fim podem até mesmo serem submetidos a um juízo de morte física, como foi o caso de Ananias e Safira, e muitos cristãos de Corinto, que se recusaram a se arrependerem e a receberem instrução do Senhor para andarem de modo digno na Sua presença.

Muitos podem estar, portanto, equivocados quanto a serem verdadeiros cristãos, quando se gabam da prática permanente da iniquidade, sem que lhes venha qualquer correção da parte do Senhor. Estes deveriam desconfiar da sua conversão, porque os que são deixados sem correção é porque são bastardos, mas não verdadeiros filhos de Deus, porque a estes Ele sempre os corrige, porque os ama.

O ímpio não clama por socorro a Deus quando está em aflição (v. 13). Mas os ouvidos do Senhor estão atentos para o clamor do aflito que se volta para Ele em busca de socorro (v. 15).

Por isso Eliú disse a Jó que Deus queria levá-lo da sua angústia para um lugar espaçoso, sem aperto, e no qual as iguarias da sua mesa seriam cheias de gordura (v. 16).

Mas como Jó poderia participar disto enquanto estivesse cheio do padrão de julgamento que é próprio dos ímpios, porque julgam que Deus não se importa com a aflição dos que sofrem, e com isso deixam de ser socorridos.

Eliú alerta então a Jó para que tomasse cuidado para que a ira de Deus que pesava sobre Ele não lhe induzisse a escarnecer como os ímpios, e nem a se desviar da grandeza do resgate que estava disponível para ele no Senhor.

Jó deveria decidir sobre o que deveria prevalecer, se o seu clamor pedindo por socorro a Deus, ou o seu endurecimento produzido pela força do seu sofrimento.

Jó deveria se guardar para não declinar para o lado daqueles que se deixam vencer pela iniquidade.

Ele deveria se lembrar de engrandecer ao Senhor e às Suas obras.

O Deus que manifesta a Sua grandeza e glória nas obras da criação.
Pin It
Atualizado em: Qui 4 Ago 2016

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222