person_outline



search
  • Artigos / Textos
  • Postado em

Cansaços...

Então me paralisei.
A vida que sempre foi cheia de esperanças, de sonhos, de desejos, de projetos, de repente parou!
Mentira! Não foi de repente...
Na verdade, desde o dia em que eu tomei consciência de mim, a vida vem parando um pouco todo dia.
Primeiro eu me dei conta de que eu sonhava os sonhos da minha mãe, depois os sonhos dos estranhos que pareciam importantes, depois os sonhos das imposições sociais.
Segundo, e bem tarde eu diria, eu me dei conta dos meus próprios sonhos e mudei o rumo do existir, buscando validar o meu querer.
Estranhamente, parece que quanto mais eu quero e sei o que quero, mais distante de saciar minhas ânsias eu fico!
Quanto mais eu sonho, mais a vida me joga a realidade na cara!
Quanto mais eu acredito, mais a vida me esfrega mentiras e mentirosos na cara!
Quanto mais eu planejo, mais a vida me condena ao caos!
Quanto mais eu busco, mais a vida me faz ter a impressão de caminhar para trás!
Quanto mais eu me encho de esperanças, mais a vida me subjuga às decepções!
Mas mesmo assim, eu segui a vida enfrentando-a. Ela me batia e eu só revidava com mais força, com mais fé, com mais amor, com mais garra, com mais disposição pra luta...
Mas, hoje, não sei bem porque, eu desisti...
Desisti de acreditar, desisti de tentar, desisti de lutar, desisti de me renovar e me refazer.
Hoje eu desisti e acho que foi porque cansei.
E nenhum sono parece poder me descansar, nenhuma música ou poesia ou palavra parece poder me reerguer, nenhuma pessoa parece poder me convencer de que vale seguir lutando, insistindo, renascendo.
Eu sempre fui fênix, mas hoje eu cansei dos meus incêndios, cansei das minhas cinzas, cansei de reviver, porque quase sempre eu revivi por nada!
A vida não responde à altura, não sara as feridas, não sana as dores, não acalma a mente, não apazigua o coração, não recompõe a alma.
Eu cansei e não encontro motivos que me descansem.
Eu cansei e não vejo ao meu redor nada que me motive.
Eu cansei de me remendar! E confesso, acho que nunca fui boa de costuras...
E meus retalhos, sobras de mim, não comportam mais nenhum cerzido.
As linhas que teciam minha roupagem de coragens e enfrentamentos, acabaram.
O tear que moldava meu manto de esperança, rompeu.
Meus dedos furados pelas agulhas das dores diárias, não sicatrizam mais.
Meus pés cansados nunca encontraram o conforto necessário do descanso merecido.
Eu desisti porque cansei e desaprendi como se descansa...
fShare
0
Pin It
Atualizado em: Sáb 5 Jan 2019
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222