person_outline



search

Os Ambulantes da Rua da Praia,uma questão social

Hoje,07 de abril de 2017 venho escrever sobre um dos últimos redutos da sobrevivencia, o camelô ou vendedor ambulante,eu trabalho a alguns anos com dependente químico e seus familiares, temos uma equipe que atende,enviamos para o centro de recuperação ,e temos visto nestes anos todos muitas vidas transformadas,muitas famílias felizes, a sociedade sabe muito pouco sobre esse trabalho, os governantes não sabem quase nada. Mas é esse o assunto que quero abordar aqui, um problema que as autoridades e alguns segmentos da sociedade querem,varrer das ruas como se fossem um lixo, O Vendedor Ambulante, alguns jornais de nossa cidade fizeram algumas reportagens, jogando as autoridades contra os camelôs. Existe um ódio, absurdos são falados, sem conhecimento de causa,eles não sabem que por trás de cada vendedor ambulante existe uma família.Eu tive a oportunidade de atender muitos familiares e dependente químico, coisa muito triste é crianças esperar por seu paí que foi trabalhar e vai trazer o alimento pra família, e o pai não chega,porque foi usar drogas ou beber.E agora outra situação, os país foram trabalhar, são camelôs, e não trazem o alimento para os filhos porque sua mercadoria foi aprendida por um fiscal que ganha muito bem, e está cumprindo ordens de seus superiores, que tem que dar uma resposta para a sociedade. Agora porque eu comentei que o vendedor ambulante é o último reduto da sobrevivência, porque alí está o desempregado, o endividado, o pequeno comerciante que viu seu sonho de ter seu próprio comércio ruir devido à essa crise econômica que não acaba mais. Continua...
Pin It
Atualizado em: Ter 6 Jun 2017

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222