person_outline



search

O AMOR ESTÁ MORTO!

Dia desses, noite escura, tempo nublado e garoa fina caindo, parei em um posto de gasolina para abastecer o carro, quando fui abordado por um estranho que, apesar das roupas - um gorro surrado, já amarelado pela sujeira, calça e casaco amarrotados, aparentava possuir um vasto conhecimento, tal a forma como me abordara: "Por obséquio! Poderia falar um minuto com vossa senhoria?"

Confesso que, motivado pelo medo, muitas vezes ignorei conversas alheias, mas ao ouvir aquelas palavras, senti-me atraído, com uma vontade louca de conversar com aquele sujeito, cuja aparência beirava os 70 e poucos anos.

Perguntei então o que ele desejava. Foi quando tive uma surpresa. Ele nada queria... Nem dinheiro, nem cigarros (apesar de que não fumo), nem vender qualquer tipo de produto. Curioso, afastei-me, pensando que fosse um assalto ou algo do tipo. Imagine aquele homem a isca de uma quadrilha para me levar o pouco que tinha?

_Acalme-se, moço! - pediu-me, com sereno tom de voz. _Não quero nada seu... Nada!

Um sorriso lindo brilhou naquela face seguido por lágrimas, algumas apenas, que lhe desciam à face, sem rumo.

_Fique tranqüilo, eu não quero nada do senhor! - reforçou.

_ Então por que me abordou? – questionei-o, abismado com a sua sinceridade. _Em que posso ajudá-lo?

_ Preciso de um simples favor...

_ E o que seria? - entrecortei-o, com os olhos a correr seus trajes.

_ Sua atenção! Só!..É possível?

Não estava entendendo nada. Encostei-me no carro e ouvi o que ele tanto tinha para me dizer, foi aí que percebi que nós, seres humanos, somos tão arrogantes, incapazes de sentir a tristeza alheia e compadecer-se das dores daqueles que tanto necessitam de nossa atenção. De fato, aquele homem nada queria, aliás, queria sim, e era tão pouco! Apenas conversar...conversar...conversar..! De um possível assalto a uma conversa franca com um desconhecido. Que bela peça do destino!

Cada palavra que dizia, cada frase que formava, mais profundamente eu sentia o remorso me cutucar, perfurar meu coração, fazendo-me também chorar. Como pudera ter pensado tanta coisa ruim daquele homem? Com que direito minha mente ultrapassava a divisão das terras demarcantes da dúvida e da certeza, rendendo-me ao verme do medo, que nos faz primeiro agir para só depois pensar? Meu Deus! Como eu estava envergonhado!

_ Obrigado, meu jovem! Que Deus lhe pague por esses minutos... - E lá se foi o homem, sumindo aos poucos na escuridão.

_Quem era? Queria lhe assaltar? - perguntou-me um frentista, aproximando-se.

_Eu que o roubei... –respondi, em meio à reflexão.


_CO-MO AS-SIM? - indagou o coitado, com os olhos arregalados, dando um passo para trás. _ E o que poderia ter roubado daquele coitado?

_...a SABEDORIA! - completei a frase, com um largo sorriso no rosto.

O rapaz afastou-se surpreso, certamente achou que eu estivesse ficando louco. Limpei as lágrimas, resolvi abastecer outro dia, entrei no carro, dei a partida e, ao andar algumas quadras, percebi que o pneu havia furado. Estava diante de um ponto de táxi. Paguei a um taxista para que trocasse o pneu e, durante o serviço, conversamos sobre o ocorrido, quando o homem, completamente extasiado, deixou a roda cair e correr pela lateral, para me perguntar:

_MO-MO-ÇO... O QUE ES-ES-TÁ ME DIZENDO?

Repeti a história.

_ E-ELE USAVA UM GORRO E UM JOGO DE PALETÓ BEM ENVELHECIDO?

Confirmei a descrição.

_Esse homem morreu há 10 anos, vítima do abandono familiar. O filho o trancou num quarto e o deixou lá padecer, em cima daquela cama, vítima de uma terrível doença... Quando o acharam, junto ao corpo havia um bilhete, com as seguintes palavras: “Eu não queria nada desse mundo, apenas conversar, sentir as pessoas, ser um ser humano de verdade... Enfim! Isso eu nunca consegui! Para mim, o amor nunca existiu! Está morto!"

Pin It
Atualizado em: Seg 17 Mar 2014

Comentários  

#2 azara 23-07-2014 21:14
Muito bom texto.Parabens.
#1 PARAIBANA 18-03-2014 22:22
Parabéns! Adoro ouvir histórias assim! sempre ouço as histórias de minha mãe...e assim sei a história da minha família, mas nem sempre os mais novos estão dispostos a isso!!!!!

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222