person_outline



search

NO CORAÇÃO DA CIDADE

Estou perdido na multidão, mais um rosto sem nome, mais um trapo humano a se arrastar na esperança da clemência alheia. Sentado no chão estendo meu braço, e minha mão, em formato de concha, suplica algumas migalhas que me servirão de sustento.
Já me acostumei aos desaforos, à fome, ao frio, mas ainda sinto nojo do meu cheiro. Crostas de sujeira me encobrem as unhas, por cima e por dentro, meu cabelo espigado e duro não me incomoda, mas o fedor...
Hoje estou na Esquina Democrática, muito movimento, um comício inflamado carregado de demagogia. Sinto pena destas pessoas que ainda sonham, eu parei de sonhar há anos. Prefiro mil vezes o teatro de rua da semana passada.
A fome lentamente drena minhas forças, caminho até a Praça XV para tentar a sorte próximo às lancherias. A busca diária do alimento em troca da humilhação. Atiram-me um pedaço de pão duro, melhor do que nada! Peço o resto de um caldo de cana que o freguês deixou, cerca de um quarto de copo. Pelo menos o copo é descartável.
A prefeitura está "limpando" os viadutos, tenho que achar outro lugar para morar, só problemas... não importa, dirijo-me ao Parque da Redenção. Sento-me num banco. Uma garotinha se aproxima, imagino que ela vá chorar, mas ela me oferece uma flor. Com lágrimas nos olhos apanho a rosa e por uma fração de segundos passo a acreditar na humanidade, então sua mãe a puxa violentamente explodindo imprecações e desaforos.
Desapareço em minha insignificância. Faço o balanço das moedas do dia, consigo éter, aspiro, esqueço, fujo...
Pin It
Atualizado em: Sáb 1 Dez 2007

Comentários  

#4 celylua 02-12-2007 20:54
Muito triste, porém verdadeiro, embora o desejo seja profundo de não existir cenas assim, mas infelizmente nossa tela de cinema do cotidiano nas ruas" Não importa onde" são sempre assim, seres caminhando ao nada e encontrando em cada rua o nada que sua vida então buscou. Muito profundo e envolvente. Adoro ler seus textos Adriano, vc escreve com tanta emoção, que até mesmo os detalhes mto me emocionam...É mto bom ler vc! Sua alma é jóia preciosa; vc escreve a vida como ela é. Parabéns!!!!!Aplausosssss!!! Para vc reverência! Sua amiga de sempre, Celylua. Bj!
#3 celylua 02-12-2007 20:54
Muito triste, porém verdadeiro, embora o desejo seja profundo de não existir cenas assim, mas infelizmente nossa tela de cinema do cotidiano nas ruas" Não importa onde" são sempre assim, seres caminhando ao nada e encontrando em cada rua o nada que sua vida então buscou. Muito profundo e envolvente. Adoro ler seus textos Adriano, vc escreve com tanta emoção, que até mesmo os detalhes mto me emocionam...É mto bom ler vc! Sua alma é jóia preciosa; vc escreve a vida como ela é. Parabéns!!!!!Aplausosssss!!! Para vc reverência! Sua amiga de sempre, Celylua. Bj!
#2 celylua 02-12-2007 20:54
Muito triste, porém verdadeiro, embora o desejo seja profundo de não existir cenas assim, mas infelizmente nossa tela de cinema do cotidiano nas ruas" Não importa onde" são sempre assim, seres caminhando ao nada e encontrando em cada rua o nada que sua vida então buscou. Muito profundo e envolvente. Adoro ler seus textos Adriano, vc escreve com tanta emoção, que até mesmo os detalhes mto me emocionam...É mto bom ler vc! Sua alma é jóia preciosa; vc escreve a vida como ela é. Parabéns!!!!!Aplausosssss!!! Para vc reverência! Sua amiga de sempre, Celylua. Bj!
#1 celylua 02-12-2007 20:54
Muito triste, porém verdadeiro, embora o desejo seja profundo de não existir cenas assim, mas infelizmente nossa tela de cinema do cotidiano nas ruas" Não importa onde" são sempre assim, seres caminhando ao nada e encontrando em cada rua o nada que sua vida então buscou. Muito profundo e envolvente. Adoro ler seus textos Adriano, vc escreve com tanta emoção, que até mesmo os detalhes mto me emocionam...É mto bom ler vc! Sua alma é jóia preciosa; vc escreve a vida como ela é. Parabéns!!!!!Aplausosssss!!! Para vc reverência! Sua amiga de sempre, Celylua. Bj!

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222