person_outline



search

Os Contrastes Brasileiros

Qual o Tamanho da Economia Brasileira Atualmente? Qual a Nossa Posição em Relação à Qualificação de Nossos Funcionários?

Após um inflamado discurso dos governistas no Senado brasileiro exaltando os resultados alcançados recentemente pela Economia – “sétima posição entre as potências econômicas mundiais” – o Senador Cristovam Buarque (PDT – DF) tomou a palavra e, em contrapartida, afirmou: _ “É, mas em compensação somos o 88° colocado em educação segundo a UNESCO e, além disso, não adiantaria muito estarmos nessa posição se somos o 55° país do mundo no valor de renda per capita” – completou.

Tem toda razão o senador da “oposição”, pois atualmente o Brasil é o 69° na ordem dos países com ética na política em função da corrupção (nossa nota é 3,7 numa escala até 10) e, a conseqüência disso é que nos tornamos o 8° pior país do mundo em termos de concentração de renda – na frente apenas da Guatemala, Suazilândia, República Centro Africana, Serra Leoa, Botsuana, Lesoto e Namíbia. 

Em seu artigo (“As Vergonhas Que Temos” – Jornal O Globo – 09/04/2011) Cristovam Buarque aprofunda sua análise no perfil da produção industrial brasileira, demonstrando que há décadas o Brasil exporta quase o mesmo tipo de bens e, o que é pior, continua importando os produtos modernos – da área científica e tecnológica. Isso ocorre porque produzimos um número insignificante de doutores por ano; ou seja, pouquíssimos brasileiros conseguem completar o curso de doutorado.

Esse é o reflexo de um enorme contraste entre a ponta da Economia (produção de bens de consumo) e sua base de sustentação (escolaridade de seus funcionários), pois ao mesmo tempo em que somos um dos maiores fabricantes mundiais de automóveis e aviões, também temos uma grande população de “flanelinhas” fora da escola.

Segundo a UNESCO, a maioria dos adultos analfabetos vive em apenas 10 países – o Brasil é um deles, com 14 milhões – e, comparando-se com a época da República (1889), temos hoje quase três vezes mais analfabetos do que naquela época, aos quais ainda se somam mais de 40 milhões de “analfabetos funcionais” – não são capazes de interpretar o que escreveram. Talvez seja por isso que nunca tivemos um Prêmio Nobel.   

O senador vai mais longe ao afirmar que existe uma dicotomia entre uma das maiores economias do mundo e um mundo social real entre os mais pobres. Para ele, essa realidade se explica porque nosso projeto de nação é:

  1. A)   Sem Lógica: porque não percebemos que um país rico é um país sem pobreza.
  2. B)    Sem Previsão: porque não percebemos que nossa grande, mas atrasada Economia é incapaz de concorrer com as “economias do conhecimento” – implantadas em países com menor riqueza, porém com mais futuro.
  3. C)    Sem Ética: porque comemoramos nossa posição na Economia, mas esquecemos nossas “vergonhas sociais”.
Pin It
Atualizado em: Seg 11 Abr 2011

Comentários  

#1 Nadi 27-05-2011 22:08
Tua opinião é baseada em fatos concretos.
Mas o Senador. O que é um Senador?
Por que será que ele, que está lá junto aos que deveriam observar e agir, não faz nada também? E ele é o SENADOR que aponta dados, estatístas...Mas é só para a mídia tomar conehcimento e o povo (mal educado sob todos os aspectos), lê, ouve, não sabe interpretar texto e acaba iludindo-se com uma 'fala bonita'.
Abraços estrelas.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222