person_outline



search
  • Terror
  • Postado em

Manicômio do Diabo

Minha família sempre foi muito religiosa,morávamos no norte da Noruega,e meus pais praticamente viviam na igreja,desde pequena,eu sempre fui omissa em questão religiosa,mas todos os meus pensamentos,ficavam trancafiados em minha mente banal.

Nunca fui apegada nos bens materiais,porem o sexo a partir de uma certa idade,passou a fazer parte do meu cotidiano,foi então,que eu conheci o padre manfredy,ele era alto,tinha uma barriga meio saliente,louro,olhos verdes,e eu na época com 18 anos,tinha algumas espinhas no rosto,morena,olhos castanhos,um pouco fora do meu peso,por esses motivos,eu nunca imaginei que aquele cara sedutor fosse me dar alguma atenção.

Tudo começou em uma missa de domingo,meus pais chegavam cedo,sentavam nos primeiros bancos,e neste dia fui obrigada a ir,enquanto eles caminhavam a uns dois metros de distancia,eu passava uma de minhas mão nos bancos,e”admirava” o teto da igreja,e der repente senti uma presença que se aproximava aos poucos de mim,viro assustado,e pela primeira vez,vejo o homem que iria mudar a minha vida por completo.

-olá moça bonita,me chamo manfredy,sou o novo padre da igreja;

Fiquei quieta,não conseguia falar uma só palavra;

-não vai cumprimentar o padre filha?

-olá,me chamo Úrsula,prazer em conhecê-lo;

Estendi minha mão,ele abaixou e deu um beijo arrepiante na parte de cima dela,e disse:

-o prazer é todo meu,e me olhou no fundo dos olhos(que olhos)

Depois daquele domingo,comecei a freqüentar a igreja todo dia,eu sempre dizia para a minha mãe que ia fazer um curso ou estudar na casa de uma amiga,e ela sempre deixa,então eu ia até a parte dos fundos da igreja e me deliciava com aquele corpo maravilhoso que o manfredy tinha.A partir da li,fiquei viciada em sexo,e por ser segredo,me deixava cada vez mais empolgada.

Quando completei 22 anos,passei em uma universidade em Roma,manfredy ficou muito chateado,mas disse-me que eu tinha que seguir a minha vida,fiz minhas malas e embarquei rumo a minha graduação em psicologia.

Na faculdade,tudo era novidade,as matérias,as pessoas,e tudo o que eu mais queria era estudar as possessões demoníacas,ou como os médicos chamam,distúrbios psicológicos,sempre fui fascinada,por esses assuntos,que são mais voltados para o lado diabólico,do que divino,e quando o professor chegou na sala no dia 21/09/1958,e disse hoje iremos estudar,fenômenos da mente e distúrbios psicológicos,quase tive um orgasmo.

Naquele mesmo dia,sai da faculdade tão feliz e encontrei uns amigos,que me esperavam no carro,ao entrar eles,estavam planejando invadir uma igreja para beber,e eu como não queria ser estraga prazer,aceitei na hora,mas confesso que não vi graça nenhuma em fazer aqui.

A escolhida foi a igreja del popolo,ao chegarmos lá,meus amigos entraram por uma porta lateral que por um acaso do destino estava aberta,e vieram nos avisar logo em seguida que não ávida ninguém na igreja,então todos entramos,sentamos nos bancos,abrimos as bebidas e começamos a festa.

Meia-noite e meia,todos já embriagados,menos eu ,ouvimos um barulho,que vinha do fundo da igreja,resolvemos investigar o que seria,confesso que eu estava com um pouco de medo,mas como não queria ficar sozinha ali,fui junto.

Ao chegarmos no local,da onde veio aquele barulho,ouvimos gemidos,uma porta que estava entre aberta,radiava uma luz amarela,como a de uma vela,todos faziam silêncio,e tomei coragem de ir na frente,quando olho pela fresta,vejo uma menina,amarrada em uma mesa de madeira antiga,e um padre estava abusando sexualmente daquela frágil garota,um dos meus amigos,vomitou,e fez um barulho muito grande,uma outra amiga se assustou com o barulho,e me empurrou,só me lembro de cair dentro daquela sala,e ao levantar a cabeça,vejo que aquele padre era o manfredy,a menina me olha e pede ajuda,mas meus amigos me puxam,gritando “vamos sair daqui”.

Corremos por aquele corredor ,não havia luz,eu olhava para traz e via a porta se fechando  aos poucos,e me entristeci por não ter ajudado aquela garota.

No dia seguinte,depois de uma noite sem dormir,resolvi  voltar sozinha para aquela igreja,eu precisava falar com ele,eu queria entender o que tinha acontecido.

Ao chegar lá,me deparei com uma missa,sentei no fundo igreja e esperei todos saírem,enfim me dirigi ate o altar,e disse:

-hora hora manfredy,que destino nos colocou frente a frente novamente,eu não sabia que gostava de crianças.

-Ursula,se eu fosse você,não brincava com fogo garota,as conseqüências são desastrosas.

-pois bem meu caro fetiche,acho que posso lhe chamar assim não?,te digo que não tenho medo de me queimar,e ao sair daqui irei te denunciar,porque hoje ficou provado,que você não passa de um porco sujo,nojento e pedófilo.

Ele sorrio pelo canto da boca,e ao me virar,senti uma forte dor na cabeça e depois desmaiei por completo.

Ao acordar,estava deitada em uma maca,olhei para os lados,e todas as outras estavam vazias,der repente vejo uma enfermeira entrar pela porta,e pergunto:

-aonde eu estou?

E ela se não diz uma palavra;

-aonde eu estou?

E o silencio continuava;

Tentei me levantar,mas cai,senti uma dor terrível em minhas pernas,e tudo se confirmou,quando meus olhos que jamais poderiam mentir,viram que elas na verdade estavam quebradas.

Eu pensei que a enfermeira fosse me ajudar,mas não,do mesmo jeito que ela entrou,saiu e não esboçou nenhuma reação.

Me arrastei até a porta,e com um grande esforço,consegui abrir,me deparei com um corredor vazio e silencioso,continuei me arrastando,passei por portas e mais portas,todas trancadas.

Meu cansaço era imenso,minha dor agonizante,tudo o que e mais queria naquele momento era,sair daquele lugar.

Meus olhos começaram a fechar,fui perdendo meus sentidos,ouço uma voz,tento reconhecer,parece ser a voz de minha amiga cris,neste momento criei forças,e abri meus olhos,vejo ela correndo no fundo do corredor,o chão se banhava em sangue,logo atrás dela,vinha um homem,alto,usava uma mascara branca,e um avental todo manchado,em uma de suas mãos carregava um machado muito diferente,em uma ponta aviam pregos,e na outra uma lamina.

Cris estava desesperada,quando chegou perto de mim,se abaixou,e com um gesto generoso,tentou me levantar,mas antes que conseguisse,já era tarde de mais,o machado já havia partido seu crânio ao meio.

Eu gritei,o mais alto possível,meu grito se pôs em lagrimas,foi muito triste e aterrorizador ver aquela cena,minha amiga,morta na minha frente,todo aquele sangue;Senti meu corpo flutuar,como se alguém me carregasse,não haviam mais forças dentro de mim,um vazio sem fim,e desmaiei.

Atenção pacientes da ala três,o doutor herbet os espera no centro de medicamentos,qualquer atraso,não será tolerado.

Todos os dias passamos por uma entrevista,doutor herbet aparenta ter pouca idade,mas seu nome e velho como sua alma,me chamo Ana,fui mandada para cá,a dois anos,meus tios,não aceitaram,ter uma sobrinha possuída,e optaram por me trancafiar neste local,o que eu tenho não pode ser chamado de possessão,e sim uso abusivo de drogas,mas um padre da região não acreditou em mim,e disse que o diabo é um espírito enganador,então me mandaram para cá.

-Senhorita Úrsula por favor acorde;

Levanto minha cabeça,a visão estava meio turva,porem consegui enxergar uma mulher negra sentada em minha frente,e pergunto;

-quem é você?

-boa pergunta minha jovem,me chama Judith,sou a chefe deste lugar,sou eu que mantenho a organização e total resultado dos tratamento por aqui.

-que lugar é esse?eu não preciso de tratamento nenhum;

-é ai que você se engana minha cara,quem te mandou aqui foi alguém de minha confiança,e me deixou a par de sua situação,como sempre o diabo nos faz ver coisas que não queremos,mentiras são contadas,para que você se confunda,aqui teremos o melhor tratamento para você.

-se o tratamento e tão eficaz,porque mataram minha amiga?

-minha querida,que amiga?

-a Cris

-essa tal de Cris,nunca esteve aqui,ta vendo como o mal esta tentando te enganar;

-e minhas pernas,porque estão quebradas?

-você não se lembra Úrsula?

-lembrar do que?

-você se jogou da escada,tentou suicídio;

-como eu fiz isso se eu não me lembro,e se faz poucos dias que estou aqui;

-é ai que você se engana,a mais de seis meses que você reside aqui;

-não você esta mentindo;

Tentei me levantar,mas minhas mãos estavam presas,em uma cadeira de rodas.

-porque estou presa?

- é para sua própria segurança minha querida,não queremos que ele te faça fazer coisas que você não quer.

A conversa é interrompida,quando um homem abre a porta;

-senhorita Judith,lhe esperam no setor 2;

-obrigado,por favor leve a minha querida Úrsula,para o setor 3,e lembre-se,qualquer desobediência não será tolerada.

Tudo aquilo era muito estranho,como eu poderia estar ali,á mais de seis meses e não me lembrar de nada.

Passo por uma porta,e chego a uma grande sala com varias camas,algumas pessoas deitadas,outras amarradas,essas se debatiam muito,gritavam e blasfemavam,ate que me deixam em frente a uma cama.

-aguarde aqui,logo iremos te colocar em sua cama,não quero ouvir conversas.

Olho para lado e vejo uma moça,parecia sem um pouco mais nova que eu,e digo:

-olá,como você se chama?

Pelo canto da boca ela responde:

-você não ouviu o que ele disse,sem conversas;

Olho para o outro lado,e vejo uma jovem,loira sentada em outra cadeira,e antes mesmo que eu pergunte,ela responde:

-me chamo Ana e você?

-Meu nome é Úrsula

-nunca te vi por aqui,é nova?

-nem eu sei exatamente,há quanto tempo estou aqui;

-realmente,dias,semanas,meses e anos são esquecidos por quem esta trancafiado aqui;

Sinto uma dor imensa em meu rosto,fui atingida por um soco.

-já disse,que não quero conversas,exijo silencio absoluto;

Ana virou para mim,e notou que uma gota de sangue escorria pelo meu rosto,pegou um lenço que estava encima de seu colo,e limpou,nunca pensei que em um lugar tão estranho,pudesse existir uma alma tão pura como aquela.

Ouço uma sirene,entram,na sala  em fila vários enfermeiros,de repente um silencio,toma conta do ambiente;

-atenção todos os pacientes,vocês serão transferidos para o setor 2,qualquer desordem,não será tolerada;

Colocaram todos sentados em cadeiras de rodas,parecia sena de filme,os enfermeiros não falavam e se duvidasse,não respiravam,pareciam robôs,mas na verdade eram lobos em pele de cordeiros.

O líder que me dera um soco mais cedo,organizou todos em filas;

-por favor,cada imune,leve seu infectado para o setor dois em segurança,não quero ouvir uma conversa,qualquer desordem,desinfecção imediata.

Eu não entendia o que estava acontecendo,todos os pacientes,estavam quietos,com medo,como se soubessem o que iria acontecer,somente eu não sabia,aonde estava e o que aconteceria comigo.

Olho para o lado e vejo Ana;

-psiu,Ana ?

-ursula por favor,fique quieta,se pegam a gente conversando,a não levaremos,somente um soco,e sim uma dose letal de veneno.

-veno,como assim veneno?

-depois eu te explico;

Vejo uma porta no fundo de um corredor estreito,se via nítido o numero dois,o chefe dos enfermeiros,para bem em frente da mesma e diz:

-essa será,a partir de hoje,a nova moradia de vocês,aproveitem;

Ele abre a porta e todos entram,vejo varias camas vazias,mas não a ninguém deitado nelas,me preocupo.Por sorte me colocaram ao lado da cama de Ana;

-ana,o que esta acontecendo?

-agora que todos os enfermeiros saíram,podemos conversar,aqui não é um lugar comum Úrsula,se fizermos algo de errado,seremos,punidos,veja o Mike, o que esta na cama da frente,ele falava varias línguas diferentes,mas diziam que ele não havia estudado nenhuma,e o julgaram como infectado nível 6,e como punição,cortaram a língua dele.

-por que chamam a cada um de nós de infectados?

-aqui existem 7 setores e 10 niveis diferentes de possessões,quando eu cheguei aqui a dois anos,me colocaram no setor 7,e me diagnosticaram como nível 8,eu ainda estava sentindo os efeitos da abstinência,então por qualquer motivo,eu ficava agressiva,e acabei ferindo dois imunes,assim são chamados os não possuídos pelo diabo,aqueles que possuem a divindade dentro de si.Com o passar do tempo,fui me acalmando,tomando medicamentos,e passei pelos setores ate chegar no nível dois.

-mas Ana,eu não tenho nada de infectada,não sou possuída,eu estava em Roma,estudando psicologia,quando aconteceram varias coisas,e de repente,acordei aqui,não me lembro de mais nada depois disso;

-Que coisas aconteceram ?

As luzes se apagam;

-boa noite queridos pacientes do nível 2,durmam com os anjos,amanha cedo levaremos vocês para ver o sol,como presente pela colaboração de todos.

-só te digo uma coisa Úrsula,não confie na Judith,ela tem o próprio mal dentro dela;

-e o que acontece,quando ,chegamos no setor um?

-acredito que somos libertados,e podemos sair deste lugar,pois muitos amigos meus que passaram por todos os setores,nunca mais foram vistos,uma hora dessas,eles estão em suas casas,comendo um belo espaguete,e assistindo o noticiário das nove.Boa noite Úrsula;

-Boa noite Ana

Depois da conversa com Ana,não consegui dormir a noite,muitas perguntas,começaram a surgir em minha cabeça,mas as respostas,nem mesmo Ana poderia me dar,eu teria que descobrir sozinha.

Pin It
Atualizado em: Seg 23 Mar 2015
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222