person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

A Rainha do Vazio

Eu vivo em meu castelo.
E mesmo dentro dele eu consigo ter um lindo vislumbre do céu e o abraço preguiçoso do sol de manhã. Ao olhar para baixo vejo meus pés descalços sobre os pisos frios.
Levanto minha cabeça e volto minha atenção a uma janela próxima e diante de mim, está meu lindo jardim. Ultrapasso a porta e caminho lentamente entre minhas flores carmesim e quando vejo alguma, numa tonalidade mais viva a recolho para assim replanta-la em meus outros jardins.
Com uma cesta cheia das flores mais belas volto para dentro de meu castelo e lá sigo andando até chegar em meu Observatório onde meus outros jardins me aguardam esses que apesarem de serem meu grande orgulho alguns deles me entristecem pelo estado em que eles se encontraram.
O mais próximo a mim, é o mais vivido onde as flores recém-plantadas brilham numa coloração vivida que aquece meu coração. Já o segundo mais ao meio parece um pouco doente uma estranha macula parece estar nascendo nele, nesse terreiro algumas flores morrem secas outros seguem vivas e por mais que eu tente impedir essa mancha temo por esse jardim. O terceiro e último é o que mais me assombra nele as poucas flores vivas caem doentes ao entrar em contato com o solo não importa o quão saudável elas estejam quando as raízes dessas entram em contato com o solo a flor morre no mesmo momento e isso me preocupa.
Perdida em meus pensamentos tomo distancia de meus terreiros e me debruço sobre minha mesa tentando encontrar alguma resposta sobre essa estranha doença que assola dois de meus três terreiros, olho para minhas anotações, avalio minhas amostras e sempre tento combinar novos elementos na busca de um remédio que poderia salvar minhas adoráveis flores. Mas para a minha infelicidade os testes sempre se mostraram uma grande frustração a minha pessoa o que me faz sentar e observar a grande cordilheira próxima ao meu Observatório, suspiro e volto aos meus papeis até um arrepio passar pela minha espinha e    chegar a ponta de meus dedos. Assustada eu pulo da cadeira e saio de meu Observatório e caminho até a janela onde eu podia ver meu jardim e me surpreendo ao ver do lado desse uma garota desnorteada com meu reino sinto outro arrepio passando por mim e mantenho meu olhar sobre minha visitante logo percebo que ela está viva... E isso é extremamente proibido em meus domínios já que os únicos que podem caminhar aqui são os mortos minhas adoráveis flores.
Pin It
Atualizado em: Seg 21 Mar 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222