person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

A fome do rico

O garotinho olhava do lado de fora do restaurante os pratos fartos serem ignorados pelos frequentadores, que falavam ao celular e aparentemente não tinham fome de verdade. 
Então ele enfiava o dedo no nariz e fazia qualquer ruído para ser notado. 
Em estatísticas dele mesmo, o sucesso parcial da operação era de cinquenta por cento. 
Acontecia quando as pessoas largavam de vez o prato e iam embora. 
O sucesso completo da operação exigia que o garçom concordasse em embrulhar o que sobrou e lhe entregasse. Para esse caso a estatística caía para trinta por cento. 
O garotinho era João e seus pais eram pessoas que não tinham mais medo do futuro. 
O medo era do presente calamitoso que os colocou na rua por não conseguirem mais pagar o aluguel da casinha que moravam. 
Agora os três tinham cama de jornal e teto de papelão, sem endereço fixo. 
Bastava que o lugar estivesse seco e desocupado.  
Cada vez menos havia lugares desocupados, e muitos dos novos ocupantes tinham barracas impermeáveis e planejamento familiar, sem filhos para que dividissem a miséria, a fome e o desespero. 
Não tinham João e os trinta por cento de sucesso em suas performances. 
Tinham apenas as barracas impermeáveis, a fome e o desespero. 
Pin It
Atualizado em: Qui 17 Mar 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222