person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

O Quiosque 312

1.
É comum falar de Caraguatatuba e vir a imagem de sol e praia à cabeça. Mas, não daquela vez. O termômetro havia registrado a menor temperatura dos últimos anos na região. Já passavam das 10 horas da manhã e a única expectativa de Felipe era ficar debaixo das cobertas, “maratonando” séries.
Não tinha emprego fixo. No auge de seus 17 para 18 anos, estava em “fase de exército”. Empresa nenhuma o contrataria até que fosse dispensado. E para descolar uma grana, Felipe fazia entregas para seu Gumercindo, dono do mercadinho da esquina.
Era baixa temporada, portanto, a cidade estava vazia. O litoral perde todo o encanto durante o inverno. Dificilmente, Seu Gumercindo conseguiria vender algo naquele frio. Um dia sem entregas. Pelo menos, era o que Felipe pensava.
E quando ele estava empolgado já pensando em qual série veria primeiro, uma mensagem de voz chegou em seu celular:
- Garoto, esteja aqui em 10 minutos, ok? – a voz de Gumercindo ordenava.
Felipe levou a mão à cabeça de incredulidade. Faziam 13°C no marcador do celular. Só lhe restava vestir o “kit especial de inverno” (calça, blusa e toca) e seguir.

2.
  - E aí, Seu Gum! O que temos para esse dia frio? – disse Felipe quando chegou ao mercadinho.
- Garoto, você terá que levar 4 sacos de gelo até o Quiosque 312! – respondeu Gumercindo.
- Gelo? Na boa, como vou fazer isso? Olha esse tempo! – indagou o garoto.
O dono do mercadinho retrucou:
- Pegue sua bicicleta e vá, assim como faz todos os dias! E se não quiser, tenho o número de outro entregador que me cobra menos...
Felipe sabia que não adiantava ficar discutindo. Aquela era uma das poucas formas que tinha para ganhar dinheiro.

3.
O Quiosque 312 ficava ao fundo da praia Martim de Sá. Ao todo, o trajeto duraria uns 10 minutos se pedalasse numa velocidade moderada. Se pedalasse! Importante ressaltar a condicional! Felipe pedalava muita acima do moderado. Queria diminuir o tempo do trajeto para 5 ou 7 minutos. O gelo dentro do cesto da bicicleta fazia a sensação térmica diminuir.
Tão focado em acabar com aquilo, Felipe acabou não vendo os cacos de uma garrafa de Cereser no chão... “Pow!” O pneu da roda dianteira estourou.
No final das contas, nem 5, nem 7 e nem 10 minutos. Aquela tortura duraria 15 minutos no mínimo.

4.
Felipe já tinha empurrado a bicicleta por uns 300 metros até amarrá-la em um bicicletário no calçadão. Agora, carregava os sacos de gelo nos braços.
Para evitar pensar na queima que a carga provocaria em seus membros e tórax, resolveu botar o cérebro para se distrair. Como por exemplo, imaginou quem seria capaz de comprar 4 sacos de gelo em pleno inverno. Lembrou-se, então, que a dona do Quiosque 312 era a Sra. Maria Dobrowsky.
A coisa começava a fazer algum sentido. A jovem Maria, na década de 1990, se apaixonou pelo russo Rudolf Dobrowsky durante o verão. Sua família (à época, já dona do 312), ao descobrir que o garoto era filho de militares de alta patente, logo tratou de incentivar que o relacionamento se mantivesse (mesmo que à distância). Até hoje, as más línguas dizem que a comunicação do casal via correspondência era toda em inglês, já que nenhum falava a língua pátria do outro. Dois anos após conhecer Rudolf, Maria se mudou para a Rússia.
E depois de mais de 2 décadas no estrangeiro, a viúva Maria Dobrowsky voltou para Caraguá. Tinha que cuidar dos negócios da família devido à grave doença do pai.
Ao lembrar-se de toda essa história, Felipe chegou à conclusão de que aqueles 13°C pouco faziam diferença para Maria. Se brincar, ela devia era estar com calor. Então, nada mais propício que comprar um pouquinho de gelo para colocar na caipirinha, não é mesmo?
No último verão, Felipe pôde perceber como a mulher ficava desnorteada com o clima quente brasileiro. Tinha de fato se tornado uma cidadã russa. Ele e seus amigos se aproveitaram desse atordoamento (que a deixava em dificuldade para cuidar de seu comércio) e passaram a alta temporada inteira pegando coisas do quiosque sem pagar nada.

5.
A blusa de Felipe estava molhada devido ao contato com o gelo. Seus braços queimavam. Porém, o Quiosque 312 já estava à vista. Mais 30 passos e fim da tortura! Se a “russa riquinha” tivesse gastado 10 minutos de seu tempo para ir até o mercadinho de Seu Gumercindo e comprasse o maldito gelo, Felipe estaria em casa debaixo das cobertas. Mas, não! Tipos como ela e Gumercindo tinham o rei na barriga. Só sabiam mandar, mandar e mandar.
Ao chegar na porta do 312, Felipe largou os sacos de gelo e ficou encolhido no chão. Tremia muito. O lugar estava fechado e não havia ninguém esperando para receber a mercadoria. Só podia ser brincadeira!
Nesse momento, duas mensagens de um número desconhecido chegaram. A primeira era um vídeo editado com todas as vezes em que Felipe e seus amigos haviam dado o chapéu em Maria. Já a segunda, dizia:
“Hoje, você aprendeu como um russo age numa guerra. O inverno é um forte aliado para aniquilar inimigos, concorda? Então só direi uma vez: FIQUE LONGE DO MEU QUIOSQUE NO PRÓXIMO VERÃO!”
Pin It
Atualizado em: Qui 8 Ago 2019

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222