person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

Nunca Será

Estava frio. Isso é tudo o que eu sou capaz de dizer sobre o tempo daquela noite. Você quer mais o que? Frio é frio, gelado, duro como um cubo de gelo, não há sentimentos no frio.
Esse garoto apareceu do nada e já veio querendo conversar comigo. Engraçado que as pessoas sempre evitam moradores de rua, mas aquele cara era diferente, ou estava diferente.
- Como vai? – perguntou.
- Mal, está frio e eu estou dormindo em um ponto de ônibus.
- Não deve ser tão ruim assim, morar na rua, quer dizer.
- Quer trocar de lugar?
- Bem que eu gostaria, minha vida está horrível.
- Era só o que me faltava... – murmurei.
A conversa poderia ter acabado bem ali, talvez tivesse sido o melhor para todo mundo. Percebi que aquele garoto não estava bem, mas fechei os olhos para isso.
- Sua vida tá horrível? – continuei em voz alta. – Garoto, olha para mim, não tenho um teto decente sobre minha cabeça, nem uma cama quentinha para deitar. Tá reclamando de barriga cheia, coisa que, aliás, eu também não tenho, tanto no figurativo quanto na realidade.
- Você não entenderia. Não é possível comparar a dor das pessoas.
- Concordo. Mas isso não me impede de ficar puto quando me aparece um garoto reclamando a vida mesmo tendo coisas que algumas pessoas gostariam de ter.
- Você nem sabe qual é o meu problema, e são dores diferentes.
- Claro que sei. Uma garota, não é?
- Não. Bem, em parte, mas ela não é tudo.
- Qualquer que seja seu problema tenho certeza de que é capaz de aguentar. Deus não te daria uma cruz impossível de carregar.
- Apenas o fato Dele dar uma cruz para gente O torna mal.
- Falou e disse, na minha opinião Ele também deveria carregar uma cruz. Espera um pouco, acho que isso já aconteceu.
- Não me importo. Ele me faz sofrer e ponto.
- Você acredita em Deus?
- Não de verdade. Se ele realmente existisse o mundo não estaria assim, eu não estaria assim.
- Se Ele não existe quem te faz sofrer?
- Então Deus existe e é culpado da minha miséria.
- Ele nos dá a cruz, quem escolhe se vai ficar parado, suportando o peso dela para sempre, ou se vai continuar até que um dia essa cruz pare de pesar é você.
- Tá dizendo que tenho que me conformar e continuar levando esse peso?
- Eu não diria conformado, mas focado que um dia esse peso vai deixar de existir.
- Quando?
- Não sei, talvez na morte.
- Então eu deveria me matar agora e todos os meus problemas iriam sumir?
- Sim, mas aí você estaria escolhendo o caminho mais fácil.
- E qual seria o problema disso?
- Me diz você. O que é melhor? Experimentar o sofrimento agora, contudo suportar essa dor sabendo que um dia você irá experimentar a alegria, ou acabar com tudo agora apenas conhecendo o sabor da miséria?
- Bom ponto, mas não é o suficiente.
- Vai fazer o quê? Se matar?
- É o plano.
- Então vá, pelo menos assim eu durmo em paz.
- Você não ficaria com peso na consciência? Por ter permitido que eu acabasse com a minha vida?
- Quem deveria estar com peso na consciência é você, por querer fazer isso.
- Se eu morrer ninguém vai sentir minha falta.
- E você vive para eles ou para si mesmo?
- O ser humano não é capaz de viver na solidão. É isso que está acontecendo comigo.
- Você está solitário?
- Sim, ninguém se importa comigo.
- Pelo visto nem você.
- Por que eu deveria?
- Porque se nem você quer seu próprio bem como pode esperar que os outros queiram?
- Às vezes nós mesmos não bastamos, precisamos de alguém.
- E você vai achar esse alguém na morte?
- Aqui é que não vai ser.
- Errado, lá é que não vai ser. Mas como você sabe que não irá encontrar ninguém que se importe com você aqui?
- Tenho 16 e nunca apresentei uma namorada pros meus pais.
- Acha que precisa de uma? Isso é o necessário para te fazer feliz?
- Bem, é um começo. Ter uma namorada é bom. É alguém para enfrentar os problemas ao seu lado.
- Entendi. E você pretende encontrar essa companheira morrendo?
- Não, mas ela não existe e nem vai.
- E você por um acaso é Deus, aquele desgraçado, para prever o futuro? Porque se você for eu tenho algumas coisas para conversar contigo.
- Não sou Deus, nem prevejo o futuro.
- Então não venha me dizer que ninguém nunca vai gostar de você.
- Até hoje ninguém gostou, e não falo só no sentido amoroso.
- Você não gosta de si mesmo, por que acha que outra pessoa deveria?
- As pessoas deveriam gostar de nós como somos, em qualquer situação.
- É mesmo? Você tem mãe?
- Tenho.
- Quando ela está com raiva, você fica perto dela?
- Não.
- Por quê?
- Ela começa a gritar comigo e me deixa irritado também.
- Se você não fica do lado de alguém em qualquer situação, por que espera que as pessoas façam isso por você? Se quer reciprocidade não acha que deveria partir de você primeiro?
- E por que nunca de outra pessoa? É sempre eu que tento falar com alguém, ou pergunto se está tudo bem. Estou esperando essa reciprocidade.
- Entendo, você que se esforça e na hora do retorno nada acontece.
- Exato.
- Então existem dois caminhos, ou realmente essa pessoa não quer saber de você e insistir só vai te fazer mal, porque é verdade, pessoas decepcionam. A outra opção é que você não está enxergando o retorno.
- Não enxergo?
- Não, essa pessoa pode estar atuando indiretamente ou você está cego demais para ver o bem que estão te fazendo.
- Faz sentido. Você é bem sábio, deve ter vivido muito.
- Talvez, enfrentei problemas, como você, e ainda enfrento, mas não desisto, ainda espero ser capaz de experimentar a felicidade.
- Não é feliz?
- Não, mas continuo em frente, tendo esperança de que um dia vou ficar bem.
- E se isso nunca acontecer? Terá vivido em vão?
- A vida só é em vão quando você fecha os olhos para a esperança e mergulha no mar de tristeza.
- Você vive a espera de algo, como isso pode ser bom?
- Às vezes a espera guarda o que você precisa e não o que você quer.
- Se eu sair daqui e me matar?
- Terá jogado fora a chance de um dia poder ser feliz.
- E se nunca fosse para eu ser feliz?
- Se cometer suicídio nunca vai saber.
- É arriscado e incerto.
- Acabou de descrever a vida. A morte é bem certa e segura, mas não tem a recompensa que a vida pode ter.
Aquele garoto foi embora e me deixou lá. No dia seguinte ouvi duas pessoas dizendo que um menino tinha se jogado de um prédio não muito longe dali, não tive dúvidas de que era ele. Preferiu a facilidade a dificuldade, mesmo sabendo que nunca haveria felicidade no caminho escolhido. Mas não era isso que ele queria? Ser feliz? Então por que
decidiu ir por um caminho onde ele nunca será.
Pin It
Atualizado em: Dom 3 Set 2017
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222