person_outline



search

CACO

Ainda sou eu, mas não sou o mesmo.

Ainda sou o mesmo, mas não eu

(Sem alma, talvez um gás que o vento

Apaga no mínimo movimento).


Meu verso duvida do cem por cento,

Traz pouca fé de todos os ponteiros 

Da Via Crúcis dos dias em preto,

Branco e desse cigarro espesso.


Martelo o meu cinzel no silêncio

Cinza das duas, cá no pavimento,

Onde nenhuma luz está acesa,

Nem lá no portão de Exu Caveira.


Ainda nunca fui eu num só tempo,

Sou caco maquiado de espelho.

Pin It
Atualizado em: Sex 12 Jan 2024

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br