person_outline



search

SILÊNCIOS E VÉSPERAS

É do silêncio que ouço o verso,
criado entre o som e o berro,
que aprendeu da esquina quieta:
ninguém está do jeito que parece;
 
sonho entender o seu dialeto,
muito além do próprio alfabeto,
algo transformado na passarela
do que se quer, não do que se escreve.
 
Sempre pertíssimo das dezessete,
lápis na mão, emboçando o verbo
na folha cheia de cinzas e restos,
em palhas retidas da outra véspera.
 
Quando não há saída, nu na guerra
— vivo, de onde tudo se enterra.
Pin It
Atualizado em: Qui 28 Jul 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222