person_outline



search

DEZ PONTO ZERO

Sim, você é a tirana absoluta dos meus versos,
manda e desmanda, pinta e borda, e acontece.
Às dezessete e seis, na fumaça da tarde quieta,
o volume máximo das caixas não reverberam
 
esse terremoto dez ponto zero, desde as pernas
até ao bucho mais escuro que a gente carrega…
E mergulho em toda a poesia encarnada na neve
fina da sua pele — que nem Deus tem a maquete.
 
O morro permite que um bege claro o acoberte,
mas só pela metade, pois na outra, prevalecem
os tons das ardósias que ladrilham os alicerces
predominantes no quadro vivo da minha janela.
 
Onde está mesmo a tal palavra, tão longe e perto?
E às dezoito, fecham cedo os amarelos do inverno.
Pin It
Atualizado em: Sex 22 Jul 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222