person_outline



search

CONTRALTO

Como se fosse por tudo taxado de proibido,
em nome dos depósitos sempre escondidos
 
e àqueles que ainda permanecem invisíveis,
que meu lápis, agora, mesmo muito tremido,
 
pretende mover as pedras porosas dos filtros,
e abrir a margem suspensa do verso que crio.
 
Porém, às vinte e uma, o que trago é repetido
— esta sinfonia masterizada dos seus gemidos
 
que ricocheteiam entre os vãos do quarto vazio
e, sob o céu da noite toda azul celeste, invertido.
 
Logo depois do poema, pego os fones sem fios,
e posso ouvir o contralto do seu último suspiro.
Pin It
Atualizado em: Seg 18 Jul 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222