person_outline



search

BILE

Reproduzir uma tela neste plasma ametista;
uma invariavelmente inédita e que desconfia
do chumbo flutuante da inércia compadecida.
Há minuanos indolentes oriundos da avenida
 
quase vazia, onde estão os fantasmas da escrita:
poetas, loucos rabugentos e almas entorpecidas
que sopram um verso — no dialeto das esquinas.
Vejo a tarde nascida a fórceps num golpe suicida
 
do meio-dia — foi-se a manhã e a sua franja colorida
(branca e branco navajo e preto e pérola e prata cinza),
esta que predomina nos biombos inconstantes da linha
borrada entre os chumaços da estopa que rodeia o dia.
 
Folheio o mofo rabiscado de um livro. Sublinho a poesia
de uma quadrinha que dizia: não sou o ácido. Sou a azia.
Pin It
Atualizado em: Sex 1 Jul 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222