person_outline



search

CENÁRIOS

 Eu não uso mangas; sou sem carta e camisa,
e prefiro que saibam logo das minhas feridas
camufladas, no entorno do que em mim levita,
sobre o breu dos desvãos da encruzilhada vazia.
 
Tenho as 22h na ponta do lápis; ouço a sinfonia
calada do vento gélido que engravida a cortina;
e há um almíscar subindo do bueiro da avenida,
no outono do meu verso, entre a noite colorida.
 
— E enquanto as luzes se apagam nas cozinhas,
acendo a zero hora, mas não fumo a sua poesia.
Pin It
Atualizado em: Seg 20 Jun 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222