person_outline



search

APARELHO

 Há uma rajada que me diz, aberta,
que, sem você, eu não seria poeta;
vai e volta, de supetão, e completa:
— A energia do seu verso vem dela.
 
Às dezenove, a noite é quase repleta,
mas ainda brilha a última luz da vela
da tarde que rodeia todo o hemisfério,
onde vários roxos tingem minha janela.
 
Na guilhotina das horas que me velam,
só a sua carne de neve é o ar que resta.
Pin It
Atualizado em: Qua 1 Jun 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222