person_outline



search

O último poema

O último poema será escrito, precedendo a arrebatadora chegada da beleza.
 
E, de modo algum será avesso, desdenhado e preso,esquecido impune em um  canto rude da memória.
 
Antes que o esperado,seria lançando em correntezas frias, e assim partiria.
 
&
 
Suas lágrimas desceriam lentas, próximas da morte, parecendo não existir.
 
Trariam em si, 
a desculpa fúnebre do prazer,de um tempo em silêncio.
 
Teriam a incerteza de olhos belos e feridos, como a sorte sem destino,
Próprios de um anjo caído
 
&
 
Poetas!
Que somos nós ?
Nessa terra sem pão, justiça e sabor.
 
O que nos reserva o futuro ?
 
E a todos os seus filhos néscios,?
 
Enlouquecidos por um sentimento, esquecidos por conveniência e 
embrutecidos pela violência instigante,
que ronda o por vir.
 
&
 
Chorem poetas.
Os seus lamentos.
Augusto dos Anjos...
Charles Baudelaire,
e outros tantos 
 
Poetas
Que infernizam a alma
Que maculam os santos
E se mostram tão humanos
Quāo semânticos.
 
Poeta louco...
Levante as mãos ao declamar.
Este  poema inverso,
que é a vida
Vida esta, que é ensaio
 
Poeta morto.
Não há fim para a beleza
E mesmo a morte
Não é a palavra derradeira,
quando é falsa a covardia
 
Me tragam...
Shelley
Corso
Vinícius 
Mallarmé
 
Poeta louco
Lance os versos ao seu prazer.
Trabalho...
Palavras de uma vida.
Escrevo jovem para não
mais morrer.
 
&
 
Toda palavra é dor, mesmo a mais banal.
Desse modo funde-se  a vida,e também a morte.
Julgam-nos em nossos defeitos,o fazem o tempo inteiro.
Nunca esqueça que é a derrota que define o homem.
A vitória é tola,pois, transparece  uma irrealidade
,um fim que existe apenas ao morrermos.
Vai chegar o dia em que saberemos tudo,
mas, até esse momento,
a verdade será apenas um pano imundo, jogado ao relento.
 
&
 
Escrevo para explorar as verdades,
celebrar as angústias secretas,
e  impróprios desejos.
 
Como a chuva morna de primavera,
que cinge as ruas e medos.
 
Que transforma e invade 
mentes e cidades,
e semeia a desgraça e,transmite a febre mundana.
 
Copulam o tempo e vaidades urbanas,
e distorcem o silêncio.
Pin It
Atualizado em: Sex 11 Fev 2022

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222