person_outline



search

TARJADO

Reutilizo o poema feito um artifício

para alojar os meus versos rangidos,

osso a osso, dente a dente — no ruído 

das mandíbulas aflitas do bruxismo.


Escrever assim neste estado de espírito

é investigar o verbo que, no infinitivo,

acenda a labareda e destile o absinto

dos desassossegos que agora eu sinto.


Inspiro. Expiro. E prendo soluços tremidos.

Tomo a drágea — o único abismo que avisto.

Pin It
Atualizado em: Sex 17 Set 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222