person_outline



search

OPACO & VAZIO & ESCURO

Eu sou a sobra do poema que não pude, 

aquele que perdeu o verniz (o balaústre

inútil transpassado na alma e na coluna

desses meus dias de carma e de culpa).


Moro nos escombros do verso e na tortura

de não saber me soerguer nas arquiteturas,

de não ter a agulha do amanhã e sua costura

que não junta o vazio compulsivo das lacunas.


Trafego entre os breus dos polos da estrutura

da poesia invisível e desta obsessiva procura.

Pin It
Atualizado em: Qua 11 Ago 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222