person_outline



search

INVOLUNTÁRIO

Há este fougére todo intenso que predomina
no voo do esqueleto nublado da manhã fria.
E permaneço no verso, mas ele me abomina
e está no açúcar de confeiteiro da chuva fina.
A samambaia ampla adere nas duas narinas,
desce pela garganta, até no fundo das tripas.
Fecho as pálpebras, sinto o corpo que levita
e avança sobre as encruzilhadas da avenida.
Resta de fato me repetir na mesma ladainha
do poema e no tremor que não escrevi ainda.
Tenho a alegria triste do espírito da esquina
que dança sem música e com sua taça vazia.
Pin It
Atualizado em: Qua 30 Jun 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222