person_outline



search

INVISÍVEIS

Resido na ponta do cabo.

Vi as pedras do chão ao alto

e os homens que as ergueram.

E então sou o faroleiro,


não exatamente aquele

de carne e de esqueleto,

mas um que flutua e paira

sobre as meias-noites claras


e os meios-dias cinzentos.

Sou íntimo dos nevoeiros

e das cortinas de fumaça

— a neblina é minha casa


e o breu conduz a paleta. 

A maresia traz o cheiro

que define os intervalos

do que logo não mais terá


nada do que tem o desenho

do agora e do momento,

pois o berinjela das quatro

é o roxo da alvorada


e o púrpura que rodeia

os bufos do mar violeta.

Anoto no meu alfarrábio,

de nuvem e de tempestade,


os mil cascos que já bateram

nas rochas postas em segredo

e bem ligeiros afundaram

suas madeiras e seus aços


entre as ondas saturadas

que empurram os afogados

às rotas do desfiladeiro

— todo azul de metileno.


Estou no farol apagado

que nunca esteve aceso.

Pin It
Atualizado em: Seg 22 Mar 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222