person_outline



search

TÓXICOS

Vejo os cotovelos da tarde, uma jovem senhora
que aparece nas contagens pedantes das horas
que desfilam: vão e se demoram e vêm e voltam
na luz que tinge a nuvem tal se ela fosse de rocha.
Penso nos bonzinhos das redes que se comovem
com as causas alheias, entocados em seus imóveis
trancados: são como robôs, seres fantasmagóricos
sem opinião própria e cheios dessa vaidade tóxica,
a de que o que parece ser é o que de fato importa.
Observo cá o morro — e é de lá que surge o código
oliva de uma nota… Da minha voz que se enforca
nos silêncios do poema e no cristal da mesa posta.
Pin It
Atualizado em: Dom 29 Nov 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222