person_outline



search

5h40 & 11h00 & 13h49

Às cinco e quarenta um céu de azul metálico,
entre o semicírculo, dominava toda a abóbada
da manhã que aguardava o fresta da alvorada,
ainda nas coxias da ex-noite que saiu de órbita.
Agora, às onze horas, o ciano resiste na encosta
(as nuvens vieram com seus chumbos esparsos),
sequestraram os cinzas e espalharam as rochas,
onde acendi os meus sonhos e subi o despacho.
Na sacada vejo vários ruídos e ouço os pedaços
da rua que levitam na elipse do átomo e no bafo
dos versos que na cerração do poema se formam
e voláteis sobem e rodopiam e nunca mais voltam.
Pin It
Atualizado em: Dom 22 Nov 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222