person_outline



search

ENTRELINHAS

Enquanto eu te beijava
(era todo teu o universo)
um mel de mim jorrava
inexistia o errado e o certo
só a tua língua que me guiava
aos céus: esplendor de azul aberto.
Enquanto eu te ateava
(era todo teu o tudo)
uma solda se soldava
inexistia o relativo e o absoluto
só o teu gozo que me sonegava
o tempo: fim do passado e do futuro.
Enquanto eu te reanimava
(era todo teu o líquido)
um outro ser rebentava
inexistia o início e o epílogo
só o teu riso que me congelava
de suor: doce e lívido armistício.
Enquanto eu te habitava
nem o nada mais importava.
Pin It
Atualizado em: Ter 20 Out 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222