person_outline



search

TEMPLO

entre as sobras de suor

eu vi o seu olhar trêmulo

as suas pálpebras aflitas

que velozes se debatiam


dentro de você e eu percebia

uma eletricidade distribuída

que entrava e que depois saía

tal como entidades espíritas


e não sabia se eu prosseguia

já que você morria mas vivia

e estava totalmente contorcida

feito uma overdose de cocaína


sua baba escorria para cima

e eu ali no seu corpo e vinha

e voltava e enquanto repetia

a sua tabuada de ambrosia


eu quero agora outro trago

de você no bico da garrafa

e no despacho da cachaça

vagabunda da sua safra


no véu escuro da madrugada

e eu acendo este meu cigarro

de fumos proibidos na sacada

a fim de encarar a sua escada


e o degrau do templo do orgasmo

sem direção no sem rumo da paz

ausente e do que já faz a poesia

bem-vinda às carnes da agonia.

Pin It
Atualizado em: Seg 24 Ago 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222