person_outline



search

Festival

 
De que me adianta,
Ter um violão.
Se cantar não posso,
A minha canção.

Eu queria tanto ser,
Ser o que não sou.
Dizer o que pensso,
sem nenhum temor.

Mas se eu disser,
Tudo o que eu penso,
Eu vou ser cassado,
Como  um cão vadio.
Vou ser torturado,
E como um escravo,
Ser acorrentado.

Ou talvêz quem sabe,
Vão me exilar.
Para alguma ilha,
Que não tem no mar.

Ou quem sabe até,
Sem um julgamento,
Vão me condenar.
E ao amanhecer,
Como um traidor,
Vão me fuzilar.
Pin It
Atualizado em: Sex 17 Jul 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222