person_outline



search

ANTIDIÁRIOS DE JUNHO XXIX

Estou onde não estarei agora e jamais estive,

pois sou o passageiro dos segundos famintos


que atravessam os muros do futuro e coíbem

o presente veloz que passa e não deixa timbre.


Como faço para mergulhar no miolo da poesia?

Se o poema não é um deus o que mais ele seria?


Aperto as mãos contra as mãos e alcanço a linha

da encosta que fornece a rima e em silêncio adia


a morte morrida que por dentro de mim renuncia

ao interesse de se viver nesta terra sem a profecia


— a de um verso nascido bem no olho da ventania.

A rede devora a rede da metáfora esquisita da vida.

Pin It
Atualizado em: Qua 1 Jul 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222