person_outline



search

ANTIDIÁRIOS DE JUNHO XXVII

Depois de você o motim das horas destruiu o sistema.

Nada importa: a única coisa que está é a tua ausência,


que mesmo sobre uma alta dissidência ainda alimenta

esta febre fria e que, intensa, delira por entre o silêncio


da cabeceira toda vazia e de todo o vazio de um poema.

Fecho os olhos e as pálpebras são claras telas de cinema


da tua película em p&b que exibe somente uma sequência:

a de duas estátuas de sal na beira do mar da noite sedenta.


Em você me enxaguei. Me centrifuguei. E na tua algema

invisível de líquidos eu me condenei sob a tua sentença...


Depois de você eu me debati em preces perto da ampulheta;

o tempo longe de você é asfixiante. É uma dor de urgências.

Pin It
Atualizado em: Sáb 27 Jun 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222