person_outline



search

ANTIDIÁRIOS DE JUNHO XXI

Meu poema é uma engenharia reversa falida.
O seu combustível não sobe e nem solta faísca
nos arredores da centelha invisível que fabrica;
dentro do seu DNA há o gene ácido da teimosia
na teia de tripa por entre o rum das suas vísceras.
E nada nele sobrevive senão a fumaça que desliza
céu acima sob esta claridade escura do meio-dia.
O que faço além do verso e de pensar na mentira
disfarçada da próxima escrita? O que é a poesia?
A aposta que para o poeta sempre estará perdida?
Sinto o morro e o inverno novo do bege da linha. 
E o vírus diz que o seu contrato não venceu ainda.
Pin It
Atualizado em: Seg 22 Jun 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222