person_outline



search

ANTIDIÁRIOS DE JUNHO XI

Procuro um verso na noite azul e ametista.
Tento baixar aquela estrela na minha lista
e ouvir os lamentos de quem sozinha brilha
no meio do nada ou em algo que não exista
entre dois polos aleatórios que se atrevem
a roçar seus limites na sala cinza do cérebro.
Folheio vários livros. Abro e fecho os arquivos.
Corro o dedo no drive. Subo e desço e respiro
quase ofegante enquanto os miolos são fritos
nesta azia dos signos, no refluxo dos sentidos:
quando eu escrevo toda a temperatura aumenta...
A perna treme. A mão sua. E onde está o poema?
Pin It
Atualizado em: Sáb 13 Jun 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222