person_outline



search

10h15

10h15

(sob alfazemas)


E sempre escrevi o mesmo poema…

Em vozes diferentes e em esquemas

dissidentes. Não raro muita emenda

atrás da outra — um filme sem cena.


No meio da manhã sinto a alfazema

imensa deste vendaval e das nuvens

que colorem os raios da cor que surge

entre os pastéis e o fundo da ferrugem.


Às onze e um os clarins da tarde executam

as exéquias do que foi orvalhada e chuva;

chilros e minuanos — e criador e criatura.

Onze e quarenta e está pronta a sepultura


rasa e sem mármore da fome desta tortura

de cheirar o futuro antes da própria fissura.

                                                                      

                                                                             

Pin It
Atualizado em: Qui 21 Maio 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222