person_outline



search

NOVELOS

Se um dia eu soubesse de mim mesmo,

não sei se me saberia todo e por inteiro,


pois de biombos e espelhos é que sou feito,

na dobradiça embutida e sutil do movimento


transeunte no meio do esquerdo e do direito

— no cérebro cinzento de dentro para dentro.


Assim como o meu verso me desloco em silêncio,

já que do vírus do poema sou um dos hospedeiros.


O poeta se acostumou a ficar perdido no nevoeiro

e precisa de estar em pedaços para se sentir coeso.


E se um dia eu me encontrasse em mim mesmo,

nada veria: estou nos nós cegos dos meus novelos


(entre o bordado do fim e a agulha de um começo).

Pin It
Atualizado em: Ter 24 Mar 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222