person_outline



search

TRANSEUNTE

Subo na grua dos minutos e cheiro as horas de cima,

onde o ar rarefeito tropeça na nuvem quase neblina.

Sou dos entretantos e de tudo o que pode ser ainda:

o ocre transeunte no azul de metileno da noite nítida.


Vejo as armadilhas do poema. E o poder de sua isca.

Leio muitos poetas da rede reunidos na parte de cima

da minha tela sombria. Parece-me mil vozes parecidas

a fim da grande curtida e de todo o ouro de tolo da poesia.


Atravesso esse março no instante imprevisível de um susto.

Meu verso come da calçada. É um cão sem raça e sem rumo.

Pin It
Atualizado em: Qui 12 Mar 2020

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222